dos tempos e ventos que nos atravessam

reflexão crítica de amilton de azevedo sobre "Orlando", de Julie Beauvais e Horace Lundd, apresentada na 7ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MiTsp).

ruína acesa
Mar 7 · 3 min read
fotografia de um dos vídeos que compõem "Orlando" / direção de arte, fotografia e vídeos: Horace Lundd

Orlando começa e termina com convites. A instalação performativa de Julie Beauvais e Horace Lundd parte do romance homônimo de Virginia Woolf, publicado em 1928, para refletir sobre o que a artista chama de um paradigma pós-binário.

A estrutura, de Sibylle Kössler e Wynd van der Woude, é um heptágono vazado de madeira com sete grandes telas. O público pode circular livremente pelo espaço, incluindo o interior da composição. No centro está Bartira, a artista convidada para as apresentações da 7ª MiTsp que, a partir de um protocolo do compositor Christophe Fellay, constrói ao vivo a atmosfera sonora da obra.

A ideia de convidar artistas locais para a colaboração musical dialoga com a relação das pessoas presentes nos vídeos — os Orlandos — com as paisagens que os circundam. Ainda, não fosse anunciado por Beauvais, dificilmente se pensaria que Bartira não participou da criação, considerando a organicidade com que suas experimentações eletrônicas povoam o ambiente. Entre música ambient e harsh noises, por momentos até parece que a artista sintetiza a natureza.

Segundo Beauvais, a escolha da cenografia e o número original de Orlandos filmados (a obra é permeável e pessoas seguem sendo gravadas) se dá em relação à estrutura do romance de Woolf. Nele, a personagem central passa por sete grandes temas em sua longeva existência — Orlando vive por 400 anos, sendo ora homem, ora mulher.

Tal dado pode ser considerado parte, mas não o todo, da reflexão acerca do paradigma pós-binário proposto por Orlando. Nos vídeos, Michael John Harper, Orakle Ngoy, Winsome Brown, Carolyn Cowan, Nyima, Diego Bagagal, August Schaltenbrand, Natalia Chami, Valentina Bordenave e Frans W.M. Franssens são registrados pela fotografia de Lundd (que assina a direção de arte e os vídeos) em paisagens ao redor do mundo.

Sua gestualidade — ou, melhor dizendo, sua qualidade de presença — nasce de um trabalho desenvolvido por Beauvais (que assina direção artística e coreografia) junto à elas/eles/elus. As gravações foram feitas na aurora, “essa hora andrógina”, como afirmou Beauvais após a sessão das 16h de sábado, 07 de março. É parte integrante da instalação performativa um bate-papo onde a diretora responde inquietações suscitadas pela experiência da obra.

Ali, acaba por explicitar certos posicionamentos acerca do discurso que se apresenta formalmente em sua ópera-instalação. Causa certa estranheza, considerando o lugar contemplativo e vivencial de sua proposta, mas se justifica fundamentalmente pelo vídeo exibido no final, onde cada Orlando envia uma mensagem para os/as/es demais.

Orlando se inicia com um convite. Passeie por este espaço-tempo que se abre em tantos. Permita-se um estado contemplativo; exista junto à instalação, seja permeável assim como a estrutura é. Nos vídeos, Orlandos sutilmente movem-se de forma infinita.

Os imensos céus estão em todas as gravações e há sempre o horizonte. As paisagens são mais ou menos inóspitas. Pássaros voam, ondas quebram ao longe, o vento força o corpo a fixar-se, mas não há tensão; as mãos, em movimento, emanam a presença humana em meio à vastidão da natureza. Na transição dos vídeos, um novo corpo passa a habitar uma mesma tela, de outra idade, raça, gênero. Ainda que evidentemente com suas marcas da diferença, passa a importar pouco como se lê aqueles corpos.

É como se todos os tempos (n)os atravessassem. O paradigma pós-binário proposto por Beauvais e Lundd passa por gênero, mas não se detém aí. Não se trata de um debate sobre performar identidades, mas de transcendê-las. Orlando termina com um convite: compreender a existência não como categorias estanques, mas como fluidez.

[colabore com a produção crítica de amilton de azevedo: conheça o financiamento contínuo para manter a ruína acesa!]

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade