dia mundial da poesia 2016

venero esse veneno que escorre das palavras
e amo-as
e essa sua sombra tenebrosa
envolve-me a alma
que significados ocultos encerram
que sentimentos pecaminosos descrevem
por vezes não as reconheço
quando materializadas no amargo do verbo
alinhadas
em posições calculadas
tecem em verso segredos invisíveis
entre versos errantes
que nos trazem à tona os fantasmas das noites alucinantes
e é no poema calado
mudo
sem forma
entre a bruma
que permeiam as letras vadias
o espirito rebelde das palavras
que constroem versos
que corroem o espectro dos poemas
não mais reconheço
estas letras que formam palavras
no poema oculto

Like what you read? Give Rui Serra a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.