Tocar o céu dos olhos da vida.

Não quero me prender a nada e nem a ninguém. Nunca fui planta de raiz, sou feito folhas secas que vão com o vento até suas últimas inspirações. Sou como uma vida que já passou por várias transformações.
 Pode não fazer sentido nada disso que eu escrevo, mas eu mesma nunca fui de procurar sentido -e nem fazer-. Sempre procurei sentir a pureza de todas as brisas. Quero conhecer lugares e me conhecer. Sentir o prazer e o desprazer de todos os prazeres desta vida. 
 Não me agrada correntes em meus pés, mãos ou vontades. Não me satisfaz ser o tipo de gente que vive por grades. 
Eu quero mais. Sentir cada vez mais. Conhecer cada vez mais. Saber mais.

L I B E R D A D E.
 Não tire minhas asas, voe comigo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.