Aquele tombo que eu levei…

Esse título me lembra um livro que tinha em casa quando eu era criança, provavelmente uma história de uma criança levada, que vivia com o joelho ralado, toda vez que se aventurava a andar de skate, bicicleta, patins, patinete…bom, não sei.

Só sei que a gente cresce, e ao se aventurar em relacionamentos, os tombos podem ser tão grandes quanto! Sangram, machucam, doem igual ou mais. A diferença é que não se cura com merthiolate! E não tem casquinha pra arrancar.

São muitos os tombos que podemos levar na nossa “ vida de adulto ”. E até hoje, eu diria que a dor que mais dói, é a de amor.

Porque coisas “ruins” acontecem com pessoas boas?

Para te realinhar com o universo! Pra te mostrar outro caminho, que com certeza será melhor pra você! Pra te tirar dessa enrascada que só você não enxergava, porque sim, o amor faz isso com a gente.

Nos deixa cegos. Nos faz acreditar em cada palavra que nos falam. Nos faz entrar de cabeça. Nos faz planejar toda uma vida. Nos faz sonhar, confiar, acreditar, e viver o conto de fadas. Até a hora que o príncipe vira sapo. Ou o sapo vira príncipe. Ou que cada um vire o que quiser e mostre quem é de verdade. Somos seres livres. Mas cá entre nós, há sempre um “jeitinho” menos pior de mostrar a sua “verdade” né.

Como sonhadora nata, eu continuaria dizendo : keep on dreaming! Mas quando se cai lá do topo do prédio mais alto de Dubai, fica um pouco difícil de continuar sonhando.

Mas sabe de uma coisa? Mesmo caindo quando criança, a gente continuava tentando né? Foi assim que aprendemos a andar. Imagine se o bebe desistisse no primeiro tombo.

Então mais importante que continuar sonhando, eu diria que é continuar tentando, vivendo, respirando, buscando, e principalmente evoluindo como ser humano.

Infelizmente nem todos vão pensar como você, nem todos terão a mesma consideração, valores, respeito, e coragem! E sabe de uma coisa? Isso não te diz respeito. Isso está fora do seu controle. O relacionamento não te pertence, o relacionamento é compartilhado. E a partir do momento que essa troca não existe mais, existe uma coisa que fala mais alto e que é muito mais importante: AMOR PRÓPRIO!

Deixa sangrar… vai cicatrizar, e como tudo na vida, vai passar!

Caia 7 vezes e levante- se 8!

A gente segue tentando e agradecendo ao universo por nos mostrar sempre o caminho que devemos seguir, mesmo que as vezes seja necessário recalcular a rota!

Melhor recalcular a rota, do que estacionar pra sempre no destino errado.

Infelizmente ou felizmente não foi o primeiro tombo e com certeza não será o último, mas espero que dá próxima vez seja só uma rasteira, e que eu esteja pelo menos com uma joelheira!

Agora pega na mão do destino e vai…

Obrigada vida!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Sabrina De Paula Domingos’s story.