Inexplicavelmente Improvável

Seria este o início de uma paixonite improvável? Querer te ver, te ouvir, te pensar. Sorrir ao lembrar dos teus risos e a vontade interminável de te mandar algo em algum chat qualquer.

Há tempos que buscava as faíscas na boca do estômago, as cócegas nos pensamentos, o sorriso bobo na boca. Há tempos queria arrancar o sufoco que todos me traziam. Em segundos, com um sopro, assim se fez.

Eu não pensei. Nao planejei. Você o fez. Seria este o início de uma paixão inexplicavelmente improvável? A sua imagem em minha mente, a vontade dos detalhes, a respiração acelerada e as flores a trazerem borboletas?

Eu não sei. Não esperei. Você transformou.