Porque penso em escrever?

Aqui mesmo neste espaço outro dia li uma postagem que me comoveu pois me remeteu à experiências anteriores vividas sob muitos aspectos na arte e no significado da escrita seja pelo viés cultural ou técnica de se expressar de forma simbólica, tão antiga como a mais remota ou primitiva expressão humana em forma plana e bi-dimensional.

A escrita me revela uma necessidade de controle do corpo e da mente como uma ferramenta. A tecnologia da escrita através da “máquinas-de-escrever” cria uma interface menos emotiva e mais distante do objeto final que é realmente um desenho que retrata e define ou expressa vários códigos no terreno emocional sendo mais reveladores ou até mesmo mais sofridos. Escrever sem motivo é quase possível desde que me permita a improvisação deste sentimento… uma música, que pode ser uma dança dos meus pensamentos que evoluem num diálogo íntimo com o mais amado desconhecido que pode me ler. Uma “jam session” mesmo que não seja em tempo real pode estimular pensamentos que me permitem desenvolver este texto sem regras neste espaço delimitado por uma tela.

O que me intriga é o teclado que suporta meu dedilhar agora ser uma interface concebida há mais de um século e sobrevive como um bem cultural único. O teclar é como um instrumento musical que me realimenta de um som ritmado e cíclico. O ruido tênue de um rabisco de uma pluma é substituído por uma sonoridade percussiva. A música e o ar que me mantem em vida me remete como alimento por realimentação deste mundo tão musical e quanto técnico.

Certa vez a minha terapeuta, Dra. Pillar me recomendo usar uma máquina de escrever pois os meus dedos pediam movimentos rebuscados e delicados que o meu estado emocional na época não me permitia em meio de turbulências vividas e experimentadas há duas décadas passadas. E foi assim que entendi a relação que a máquina de escrever pode ser um gratificante instrumento como sendo extensão do meu corpo através das mãos que me pediam abstenção ou repouso por um tempo necessário.

A tecnologia e suas crias pode ser uma ferramenta que nos leva a maior conforto do ponto de vista emocional e produtividade intelectual no memento certo e também no momento incerto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.