“SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO ?”
Por: Samuel Rios
Iniciado em 14- 09- 2016, finalizado 09–01–2017

Não basta tentar entender o que é a Glória de Deus, precisamos vive-la. A mudança de vida só acontece quando a vivemos, isso era o que o pastor Leonardo dizia em suas mensagens, porém mesmo com essa mensagem forte e insistente, Roberto um jovem de 16 anos, não sabia nem o que realmente estava fazendo naquele lugar, aquela igreja, simples e fria, mais parecia um mausoléu de tão velha, mas, ao mesmo tempo, as pessoas a tornavam um lugar vivo e quente. Nesse cenário se encontrava esse jovem, que quando olhava dentro de si, não tinha esperança, não sabia o que realmente era viver a plenitude da vida, ele dizia que já tinha tido uma experiência com Deus, mas ele sabia que não era verdade, porém, mentir sobre isso, e se deixar enganar com essa ilusão, era mais fácil do que aceitar o fato de que ele estava a tempo demais lá e não sabia quem de fato era o Deus que ele servia.

Roberto nascera em um lar cristão, seus pais o ensinaram desde cedo sobre Deus, sobre o evangelho, e sobre as coisas do Reino de Deus. Roberto sempre os acompanhava a igreja, e aos demais trabalhos, o pastor via para aquele jovem um futuro promissor, o que mais ninguém conseguia, devido ao fato de Roberto estar na igreja e na secularidade, se deixando levar pelas facilidades que o mundo oferece, ele não conseguia decidir se queria de fato servir a Deus e renunciar ao mundo, ou se deixar levar totalmente pela vida e suas paixões.

Roberto dizia consigo mesmo:

_Não posso mais viver assim! Meus amigos desenvolveram-se, eles cresceram fisicamente e espiritualmente, e eu? _ Eu fiquei estagnado, me sinto uma pedra na igreja, sinto que não vou para frente nem para trás! Vou mudar!

O grande problema é que Roberto nunca tinha prestado atenção nas palavras de seus pais, muito menos nas de seu pastor, tinha dúvidas sobre quem realmente ele era, mas tinha medo de quem poderia se tornar.

Os caminhos que Roberto insistia em andar o faziam se esfriar a cada dia mais, e por consequência se distanciava de Deus e de seus ensinamentos, um certo dia, o pastor fora visita-lo, ele sentira em seu coração que o rapaz não estava bem, que enfrentava grandes conflitos.

Chegando perto da casa de Roberto, o pastor foi atropelado por um carro que passava em alta velocidade, o carro, além de estar totalmente errado pela velocidade que transitava naquela rua, não parou para dar socorro ao pastor, mas a rua estava movimentada, e ele fora levado às pressas para o hospital, os amigos e ovelhas do pastor foram alertados sobre o fato, e muitos foram visita-lo, o pastor Leonardo porém, estava em coma, os médicos alertavam sobre seu estado aos familiares e aos demais que ali estavam, um dos presentes era Roberto, que ficara triste com aquela situação, pois o pastor estava a caminho de sua casa, por dentro ele sentia que era culpado por aquilo, dizia consigo que se ele não fosse tão difícil e tão indeciso talvez o pastor não sentiria a necessidade de fazer-lhe aquela visita, mas logo isso lhe saiu da cabeça quando o médico pega os pertences que chegaram com o pastor Leonardo, no meio daqueles pertences havia um livro, um livro que tinha um cadeado, era o diário do pastor, e na capa tinha um bilhete preso, dizia: Para Roberto, com carinho do pastor Leonardo, a esposa do pastor disse Roberto isso é seu, o Leo saiu de casa com esse diário para te dar!

Roberto totalmente surpreso se perguntava:

_ Será que ele sabia o que estava para acontecer?

_ Será que ele realmente iria me dar o diário dele?

E muitas outras perguntas eram formadas em sua cabeça, porém ele simplesmente não quis dar essas respostas, ele só queria pegar o diário e ler, ele pegou da mão de Shirley e perguntou ao médico se por acaso havia ali no meio das coisas uma chave, porém, o médico respondeu que não havia mais nada somente a Bíblia e o diário.

Após o termino do horário de visitas, os que estavam ali, foram se retirando, e a família de Roberto, assim como os demais, também saiu, no caminho de volta, o rapaz não se aguentava de curiosidade, queria saber logo o que continha naquele diário, chegando em casa ele foi para seu quarto, ainda muito abalado, mas ele tinha uma certeza de que precisava abrir aquele cadeado, pensava que talvez descobriria alguma coisa de interessante sobre a juventude do pastor, ou seus pensamentos mais secretos.

Alguns anos atrás, no Natal, o pastor Leonardo deu a Roberto dois presentes, um, era um carro de controle remoto, e o outro, era uma caixinha, e dentro, havia uma pequena chave. Roberto não deu atenção para a chave, na verdade, ele nunca entendeu o porquê o pastor daria uma chave para ele, no dia em que ganhou perguntou, mas o pastor resumiu em poucas palavras dizendo que no tempo certo ele saberia o que fazer, passaram-se os anos e ele nunca soube o que fazer, logo, aquele presente caiu no esquecimento, e passou a não importar, tanto é, que ele nem sequer sabia o que teria acontecido com ela, pois simplesmente a jogara dentro de uma gaveta, e lá permanece até hoje, sem uso.

Roberto com aquele diário na mão querendo quebrar o cadeado, pensando em como poderia descobrir os segredos do pastor, tenta daqui, tenta dali e nada, aquele cadeado realmente era forte, mesmo com ferramentas ele era forte, ou simplesmente mais forte que Roberto. Nesse tempo em que ele se esforçou para quebrar aquele cadeado, sentiu sono, e resolveu descansar um pouco, pois sabia que não conseguiria quebrar o cadeado, e com aquele sono todo, também não conseguiria ler, certamente dormiria sobre ele, Roberto então vai para a cama e lá tira um cochilo que durou horas, e nessas horas de sono ele teve um sonho.

No sonho ele estava diante de uma cadeira, uma cadeira simples de madeira, tudo era muito claro, havia uma luz muito forte, ele quase não conseguia enxergar, então se aproximou da cadeira e sobre ela havia uma chave, e ao lado tinha um bilhete que dizia, “Estou dentro da gaveta, esquecida por você, mas não por Deus”, Roberto um pouco ofegante e com seus olhos arregalados lembra-se da chave que ganhara de presente do pastor Leonardo, ele pega o bilhete e o olha a parte de trás, e ali está escrito, ”O que preciso fazer para que você acredite em mim? ”. Roberto então acorda assustado, ele sentia o suor escorrendo em seu corpo, um suor frio, olha para suas mãos e elas estão tremulas, naquele momento ele sabia que o diário não era somente um acaso, tinha algo escrito ali que o faria abrir seus olhos, e enxergar a verdade.

Roberto parte em busca da chave perdida, ao abrir a gaveta ele a encontra, e ao tira-la da caixinha já empoeirada sente um arrepio que sobe por sua espinha, sente um calafrio, mas vai em frente, ele senta-se na cadeira que estava a sua frente e encaixa a chave no cadeado do diário e gira, ao gira-la o cadeado abre, Roberto ainda um pouco assustado pensa em porque o pastor havia dado a ele a chave de seu diário, pensava em o que teria ali que o pastor Leonardo queria compartilhar com ele.

Roberto abre a primeira página e de cara estava escrito em letras grandes, “SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO?” Ele não entendera aquilo, foleou o diário e todas as páginas estavam escritas repetidas vezes essa frase, ele percebe que havia alguns relatos, porém, o que mais chamou a atenção do rapaz é que essa frase estava em todo o diário, várias e várias vezes, ele então, volta a primeira folha para ler calmamente e entender o que estava escrito ali.

Dizia assim o primeiro relato:

Meu nome é Leonardo, tenho 16 anos, e não sei o que fazer da minha vida, sinto que estou em um lugar onde não correspondo as expectativas das pessoas a minha volta. “SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO?” Não sei mais o que fazer, sinto minhas forças deixando minha vontade de querer mudar, eu me deixo levar pelo meu ego, minhas necessidades, nunca quero fazer nada para melhorar, eu só sei lamentar e reclamar, SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA FAZ COMIGO? Pai, tenho medo de não ser ninguém, tenho medo de estar só, tenho medo de não ser o que o Senhor deseja que eu seja, nem de ser o que meus pais sonham que eu me torne, “SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO?”

Roberto leu aquilo e pensava em como era parecido com o que achava sobre ele mesmo, sentia pulsar uma ponta de vida em seu coração, ele era tão jovem, mas já sentia como se estivesse morto mesmo estando vivo. Ele ficou sobre aquele diário por horas, mas o sono foi mais forte, e ele se rendeu, e deitou-se, quando deitou, teve um sonho, forte e intenso, no sonho ele via uma longa estrada, e nessa estrada, estavam espalhadas algumas palavras, escritas em placas, como as de trânsito, nomes como, MEDO, PORNOGRAFIA, LUXURIA, EGO, DESOBEDIENCIA e MORTE. Roberto lia aquelas palavras e se arrepiava a cada passo que dava, ao longo dela, havia um jardim com muitas flores, mas não era possível ir a ele, pois havia uma cerca a volta dele, e seu nome era SEDUÇÃO, Roberto queria entrar nele de qualquer forma, queria pular a cerca, mas tinha medo do que poderia acontecer, logo chegou perto dele uma pessoa, um rapaz de roupas brancas, falava com ele sobre o perigo de se entregar a sedução do jardim, Roberto perguntava o porquê era tão perigoso, afinal eram apenas flores, o rapaz disse a ele, sim, eram flores, mas aquela estrada era chamada vida, e ela tem ao seu redor o jardim da sedução que atrai as pessoas para as paixões mais sórdidas e pervertidas da vida, cada flor era uma paixão carnal que ele cedeu, Roberto assustado queria acordar, mas o rapaz disse a ele, ainda não, não é chegada a hora de você acordar, Roberto queria sair dali, mas o rapaz dizia para ele se acalmar, pois, ao ter medo, ele faria parte do jardim, Roberto dizia, o jardim se chama Sedução, e não medo, o rapaz de branco então falou a ele que o jardim se chamava Sedução, mas a sedução se apresenta de várias formas, pois, cada um se entrega a uma sedução com diversas aparências e nomes, ou seja, os nomes das placas eram as variantes do jardim, ele mudava de acordo com a pessoa e o que elas viviam, Roberto, mais calmo, tentando se manter firme na caminha, na estrada chamada vida, seguia ao lado do rapaz que se apresentou como Miguel, Roberto então perguntou a Miguel o que estava fazendo ali, e por que ele o acompanhava, Miguel respondeu Roberto que ele precisava entender o que a Glória de Deus fazia com ele, só assim, ele de fato viveria a Glória.

Eles continuaram a caminhada e passando no caminho haviam pedras que tinham o nome de Roberto escrito, ele sem entender olhava assustado e Miguel dizia: _Essas pedras são as vezes que você esteve na igreja e não prestou atenção na mensagem, não entendeu e nem quis entender o que Deus falava através do pastor, essas pedras são as vezes que você não se preparou para ir a igreja, simplesmente foi e nada recebeu lá por estar duro dentro de você mesmo.

Enquanto eles andavam, vinham grandes blocos do céu e quebravam as pedras, Miguel explicava a Roberto que aqueles blocos eram a misericórdia de Deus, que quebravam a dureza do coração dele, para que o jardim não o consumisse, ali Roberto sentiu uma dor em seu coração, pois lembrou do pastor que estava internado, Miguel disse a ele para não se preocupar, foi necessário, havia um propósito em tudo aquilo que acontecia com o pastor, eles continuavam a andar e no caminho eles encontraram uma senhora, corcunda, feia, com uma voz rouca.

Miguel disse a Roberto, essa é a Descrença, essa é a mulher que se alimenta de toda falta de fé das pessoas, cada vez que alguém não crê que Deus é o Todo poderoso, e faz pouco caso da fé, ela se alimenta da alma e da esperança dessas pessoas,

Roberto entendera que ele muitas vezes alimentou a descrença com suas indagações se realmente o que estava na Bíblia era verdade, se não era invenção de homens, ele então chora, e suas lagrimas caem ao chão, e logo somem, pois a vida se encarrega de apagar as lagrimas, ela não quer aceitar a tristeza, a vida quer somente que vivamos em alegria, mascarando nossas fraquezas, dizendo e nos impondo que temos de ser fortes sempre, nesse momento, Miguel abraça Roberto e diz: _Acalma seu coração, você não precisa mais alimenta-la, assim como está nas escrituras quando os familiares de Jairo disseram que a menina havia morrido e que ele não deveria mais incomodar o mestre, Jesus tomou a palavra e disse, “Crê somente”, ali os familiares, e o próprio Jairo, iriam alimentar com sua falta de fé a descrença, mas a Glória do SENHOR, que habita em Jesus, mandou que ele cresse somente, e o milagre aconteceu, Jesus deu-a, vida novamente. Roberto então faz a pergunta: “SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO?” Miguel olha em seus olhos e diz, você ainda tem uma estrada, mas a resposta logo virá. Eles continuam pelo caminho e deixam a descrença para trás, logo, o jardim já não tinha tantas flore, mas Roberto não percebia, eles andavam e andavam, mais a frente apareceu um homem muito bem vestido, um terno bem alinhado, cabelos bem penteados, e com uma fala boa, e ótima aparência, ele estava sobre um palanque e ali haviam algumas pessoas , elas pareciam zumbis ouvindo aquele homem, elas estavam em transe com aquelas palavras , e nada as fazia acordar, Roberto pergunta a Miguel quem era aquele homem, Miguel responde que aquele é o Enganador, ele se veste e fala como os cristãos, usa jargões e diz ser um pregador da verdade, mas na verdade, é que nele não há verdade, aquela não é a sua verdadeira face, sua aparência é horrenda, de sua boca sai esgoto, suas palavras são mentiras lançadas nos ouvidos despreparados, daqueles que não buscam a verdade, daqueles que não buscam a verdade em Deus, só querem o poder de Deus, só buscam as obras de suas mãos. Quem não busca o Senhor das obras, não merece as obras, pois a ignorância humana e desejo desenfreados pelas suas realizações, os cegam do verdadeiro evangelho, um evangelho que fala do partilhar e amar uns aos outros. Miguel manda que Roberto olhe para o Enganador, ele então fixa seus olhos e vê a verdadeira face daquele ser que dominava a mente de muitos, Roberto via um ser horrendo que tinha muitos olhos, braços, mas o mais impressionante era que sua boca era costurada, e mesmo assim ele falava, de sua boca escorria um liquido escuro, esse liquido era fétido, era chorume, Roberto o via de verdade, e o monstro chamado Enganador continua a falar, muitos se rendiam a sua dominação e não podiam se libertar, pois, estavam cegos pela ganancia de querer sempre mais e mais, pobre deles dizia Miguel, focados nos desejos carnais, pobre deles, que não entendem que o filho do Homem veio ao mundo e morreu por amor a eles, para que conhecessem a verdade, para serem livres, mas, sua mente gananciosa não os deixa ver sobre a enganação em que estão vivendo, esse não é o verdadeiro evangelho de Cristo.

Miguel olha para Roberto e diz para que ele olhe firmemente para aquelas pessoas, Roberto então olha, e logo seus olhos são abertos, ali, estavam anjos guerreando a volta daquelas pessoas, tentando chegar nelas para as libertar daquele homem, junto haviam legiões de demônios contra eles, os anjos se mantinham em guerra, pois, era da vontade de Deus quem ninguém se perdesse, Roberto em lágrimas mais uma vez pergunta: _“SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO?” Miguel olha para o jovem e vê seu pranto e diz, ainda não é a hora, logo você saberá.

Deixando aquela guerra para trás eles continuam a andar, e ao longe eles vem um templo enorme que parecia ser feito de ouro e pedras preciosas, ao lado havia uma construção simples e muito pequena, eles seguiram a diante, logo o jardim já quase não tinha flores, mas Roberto não percebia, pois seus olhos estavam tapados para perceber isso, depois de um tempo andando eles chegaram ao templo grande, e lá dentro estava muito cheio, haviam pessoas sentadas, outras de pé, e elas falavam cada vez mais alto, e nada lhes fazia parar, Miguel olha para Robert e diz:

_Você vê esse templo? Roberto responde que sim, Miguel diz a ele que aquele templo era digno de um Deus criador, o Deus do céu e da terra, mas Ele não habitava ali, pois, ali dentro não havia lugar para Ele, ali não havia adoração, Miguel explicava que templos gigantes e cheios de pessoas não é sinônimo da presença de Deus, pode haver templos ricos e grandes completamente mortos sem a presença de Deus, Miguel então toma Roberto pela mão e o leva para a construção ao lado daquele templo, ao entrar ele vê a sua igreja, simples e fria, que ninguém daria nada por ela, porém Miguel diz a ele: _Você pode achar que ela é feia, simples demais, porém, quem disse que Deus olha a casa, Deus olha os moradores da casa! Muitas casas têm vida, pois, seus moradores tem a vida, tem o pão da vida, tem a palavra, tem fé, e mais, elas sabem o que é viver o verdadeiro evangelho. Roberto abre um sorriso e diz a Miguel que precisa entender o que a glória de Deus pode fazer com ele. Nesse momento Roberto acorda, se levanta rápido, e chora, pois, queria ter sua resposta, ele se coloca de joelhos, faz uma oração pedindo resposta a Deus, mas nada acontece, seu quarto estava escuro, mas ao erguer sua cabeça, ele vê a luz do abajur sobre o diário.

Ele então se levanta e vai para a cadeira, pega o diário e passa algumas páginas, logo percebe que não havia mais nada escrito no meio, somente a pergunta “SENHOR, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER PARA MUDAR ISSO?” Repetidas vezes.

Então, ele vai para as últimas páginas, lá tem um texto, um relato, ele inicia a leitura que diz assim:

_Obrigado Senhor por me mostrar que eu não tenho de temer o jardim da Sedução, pois, não deixarei minhas paixões carnais me dominarem , obrigado por me encher de fé, obrigado pelo meu pastor que fala a sua palavra, e o Senhor quebra a incredulidade do meu coração, eu já não vou mais alimentar a descrença, obrigado Senhor por abrir meus olhos e ouvidos contra as mentiras do enganador, já não serei dominado pelas palavras que não vem de seu coração, palavras que são lançadas para elevar o ego das pessoas, palavras que vem para levar a muitos por caminhos que se distanciam da verdade, obrigado por me fazer entender que sua casa tem de existir a adoração, é isso que o Senhor espera de mim e de todos, obrigado por me fazer entender, que o Senhor não olha o tamanho do lugar onde nos reunimos, e nem os materiais usados na construção, o Senhor olha o material humano que está dentro daquele templo, se ele está sendo bem cuidado e preparado para render adoração ao Senhor. Obrigado pai, por me fazer entender que a sua Glória me move, a Glória muda minha vida, e não me deixa nunca, agora sei, que sua Glória é minha fonte de vida, sem ela, nada sou, pois nasci para render-te Glórias. Um dia Senhor, darei esse diário para alguém, que precisa entender O QUE A SUA GLÓRIA PODE FAZER CONOSCO.

*Moral da história*

Muitas vezes estamos frios dentro da igreja e não percebemos que não estamos entendendo o que está sendo ministrado, simplesmente, estamos indo por ir, deixamos a adoração de lado para reclamar de tudo, nos sentimos donos da verdade, e não nos damos conta, que em nós não existe essa verdade, vivemos como queremos, vimemos o tempo todo plantando as flores no jardim da sedução que leva de nós, o nosso melhor, sempre estamos alimentando a descrença, com nossa falta de fé em Deus e em sua palavra, nos deixamos enganar pelas mentiras que o enganador conta, nos permitimos ser dominados pela crença de que quanto mais suntuoso, quanto maior for, mais presença de Deus tem, quando na verdade, pode ser feito de ouro, e Deus nem passa perto, pois, não há adoração, devemos agradecer a Deus por encontrar vida onde tem vida, pois, a Casa Dele é chamada casa de oração, vamos morar nessa casa, vamos agradecer por termos um Deus que se preocupa tanto, que cuida para que não nos percamos, mas, vivamos o melhor Dele, e vivendo Deus, já não existe questão, pois “EU SEI, O QUE SUA GLÓRIA PODE FAZER COMIGO!”

Like what you read? Give Samuel Rios a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.