Precisamos falar sobre mulheres enroladas

Isso mesmo. Mulheres enroladas.

Você deve conhecer o tipo, vai. Todo mundo tem uma amiga/prima/irmã/conhecida que está sendo enrolada. É aquela mulher que namora há anos e ainda não “conseguiu” convencer o cara a se casar, sabe? Eu, Samysia, 26 anos, trabalho, estudo, lidero uma equipe, sou independente e sim, sou uma mulher enrolada. Namoro há anos e ainda não me casei. Poor me.

Eu, só que não

Ok, parei com a ironia. As questões, aqui, são várias: por que que, se um casal está junto há um tempo, a mulher está sendo enrolada? Está querendo se casar? Está tentando convencer o cara? Está chorando pelos cantos e se sentindo incompleta por não ter casado? Na verdade, por que que alguém na relação está necessariamente sendo enrolado?

De todas as vezes que ouço a pergunta “Quando vocês vão casar?” seguida de uma piadinha, nenhuma, absolutamente nenhuma vez, meu namorado está sendo enrolado. Sorte a dele.

Por que estamos sendo “enroladas”?

A resposta poderia envolver discussões, problematizações e debates. Mas, vamos resumir. É apenas um bom e velho conhecido nosso: o machismo. Nasce dele a ideia de que toda mulher se destina ao casamento e que, sem isso, jamais poderá ser feliz.

Sobre o tema, recomendo a leitura do artigo que coloca em debate o tratamento da mídia americana para George Clooney e Jennifer Aniston. Os dois são atores, os dois são bem sucedidos e, por um bom tempo, os dois eram solteiros. Enquanto Clooney era o “galã”, o “sonho de consumo das mulheres”, “o cara a ser fisgado”, Jennifer era a “solteirona”, a “infeliz”, “a que não tinha filhos”, “a pobre Jennifer sempre esperando por alguém”. O relógio biológico tá esperando, hein Jennifer?

Claramente Jennifer

O texto é certeiro em comparar as duas situações e chegar a uma boa conclusão.

“Seria legal, não seria, viver em um mundo onde a mídia não falasse sobre mulheres adultas e não casadas como se fossem histéricas desesperadas para serem salvas por um príncipe, insanas com um desejo de casar AGORA”.

Seria legal, não seria?

Sim, mas como podemos deixar de ser “enroladas”?

Só depende de você, leitor(a). Basta lembrar de alguns pequenos detalhes. Das escolhas de um casal, sabem eles e somente eles. Das escolhas das mulheres, sabem elas e somente elas. Então, fica o convite: vamos sair do status quo, vamos questionar, vamos parar de repetir clichês, vamos tentar pensar um pouco além. Antes de soltar um “ah, ela tá sendo enrolada”, pare e reflita um pouco.

Juro que não dói, tá? ;)

Sobre pensar: não dói