As escolhas acarretam no que somos. Então escolher a forma como você vai gastar cada batimento cardiaco é essencial para se definir como estabelecemos nossa existência. Quando somos crianças, não compreendemos o mundo por completo e temos conciência que não sabemos e precisamos de ajuda. Por esse motivo, temos uma fase em que perguntamos muito ao nosso pais. Porque o mar é salgado, de onde vem os bebês, porque não podemos fazer isso ou aquilo e assim por diante. Com a chegada da adolescência, temos uma percepção que sabemos já de muitas coisas e já não precisamos tantos dos pais para compreender o mundo. Mas nos tornamos pessoas irritadas e inseguras pelo motivo de sabermos fazer tudo na teoria mas prática nada dá certo. Passamos a pensar que podemos ter autonomia de fazermos nossas escolhas. É quando chegamos na decada dos 20s, onde temos um leque de escolhas como qual curso na faculdade vou escolher para minha profissão, qual o perfil da pessoas que vou compartilhar minha vida, que cidade pretendo viver, quantos filhos terei… e assim por diante.

É nesse preriódo que sofremos a angustia das escolhas, seria algo parecido como a angustia de escolher um filme nas opções do Netfilx. Diferente de um cinema ou de uma TV, você deve se adequar as opções limitadas que lhe são ofertadas. Fazer um curso por dinheiro ou porque gosto? Posso encontrar um curso com esse dois requisitos? Quem garante que vou amar essa pessoa pelo resta da minha vida? Como posso escolher essa cidade se não conheço os lugares que desejo conhecer?

Quando nos demos conta, estamos sofrendo por todos esses questionamento. A propria incerteza passa a ser a única convicção que temos e isso lhe trás sofrimento. A próxima decadas é por ser resumida como os anos para compreender as escolhas que fizemos. Nosso envolvimento social nos tornar preso a um simulacro de um vazio que trabalhamos em um emprego que odiamos para consumir coisas que não precisamos.

Podemos gastar o dinherio e reculpera-lo, podemos gastar a saúde e reculpera-la, mas o tempo gasto não volta. Precisamos aprender a viver sempre no agora pelos simples fato do tempo ser a coisa mais preciosa que temos.

O dinheiro é a virtualização do nosso tempo. Mensuramos nosso em tempo em dinheiro e trocas por coisas de nosso interesse. O tempo é dinheiro e dinheiro é tempo.

Like what you read? Give San Oliver a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.