.não sei do que se trata

Bebo um café com leite e chocolate. Mesmo depois de prometer não beber café após as 18h. Tive notícias que tem reizado na praça da cidade, com isso, aproveito a desculpa para tomar uma caipirinha.

Nos ultimos dias não tenho vontade de fazer nada. Na verdade acho que seja reflexo da fustração em não conseguir encontrar a Maria Teresa em Fortaleza.

Conheci Teresa em uma viagem no ônibus de Fortaleza à Sobral. Ela estava indo para Barra Grande, no Piauí visitar uma tia. Era sua primeira vez no Brasil, italiana com um filho de 5 anos, era separada e estava procurando o calor que não existe nessa epoca do ano na Europa. Não falava nada em português mas, como uma amiga falou, conseguimos conversar usando a lingual do desejo.

Ela deve não está muito contente de ter me conhecido agora. Não fui ao seu encontro em Fortaleza, fiquei em Meruoca. Nada contra ela, tudo por conta da falta de dinheiro e tempo. Estou com muito trabalho e pouco dinheiro. Sabia que não seria legal encontra-la na situação que estou. Ultimamente tenho sido mas cauteloso com as pessoas, digamos que estou um pouco mais franco comigo e não me comprometendo com o que não consigo atender.

Tive uma dia típico de quando sonho com a Camila, fico paralisado, triste, não sido gosto na comida, nem vontade de fazer nada. Sonhei que matava toda a saudade que sinto dela. Não sei do que se trata o sonho, ou melhor porque quase um ano depois de nossa separação eu ainda sinto o gosto do seu corpo em sonho. Parece ser tão real que acordo sentido seu cheiro. Não sei por quanto tempo ainda soferei esse drama, mas espero que seja breve, não suporto mas desejar algo que nunca terei.

Sempre que penso nela me afogo na droga que tenho como fuga, documentários sobre a humanidades. Antigamente não encarava isso como um vício, mas tenho que assumir que não me ajudar muito, ficar apenas assistir vídeos como se fosse novelas com a intensão de ficar imerso à uma realidade com falso simulação. Percebi isso quando notei que me interesso mais por notícias mundiais do que notícias locais. É como se fosse uma fuga mesmo.

Preciso encontrar uma forma de usar toda essa energia que os sonhos com ela me produzem. Talvez usar isso para me motivar a fazer tudo aquilo que sempre quis fazer. Aprender uma lingual estrangeira, surfar mais, estudar eletricidade e computação, me formar, explorar o lugar onde estou no momento, fazer uma documentário e as próprias trilhas sonoras do filme com a guitarra. Acredito que posso tudo isso.

Antes de mais nada preciso me recuperar, e para isso é necessário ter uma saúde mental e corporal. Vou voltar a meditar, correr e estudar. Vou mudar meus hábitos, minha alimentação e ajudar meus pais na casa deles. Ainda há tempo para muito.

Uma coisa que também me provocou a escrever é: qual o grau de relação tenho com as pessoas que usam o twitter e o medium, ou melhor, quem são as pessoas mais próximas usam. As redes socias são como praças que pessoas especificas frequentam como hábito. Não gosto do facebook, mas grande parte das pessoas que me relaciono usam ele. Mas enfim não sei do que se trata…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.