São tempos difíceis para os sonhadores

“Les temps sont durs pour les rêveurs”. Ilustração por Guillem Malí

E u pensei sobre o meu 2018. Passei 365 dias processando o ato de realizar um sonho e buscar a resposta sobre o que se faz depois que a gente consegue fazer algo que quis por tanto tempo. A resposta mais simples pra isso é sempre procurar uma outra coisa pra sonhar a seguir. A mais complicada é descobrir como que se faz isso.

Eu lembro de ter sido a pessoa que escrevia sobre sonhos e dos prazeres de viver com a cabeça acima das nuvens. Eu era uma sonhadora orgulhosa e que nunca acreditei poder realizar qualquer coisa que tivesse passado por trás dos meus olhos. A internet era esse lugar maravilhoso pra gente escapar e descobrir coisas novas ao invés de se render as ansiedades criadas pelas redes sociais da vida perfeita. A vida perfeita era aquela ali no Tumblr.

Eu amava escutar sobre as experiências e aventuras das pessoas ao meu redor. Ouvir era como estar numa exibição de um filme particular. Minha cabeça estaria à mil criando imagens, dando vida àquilo que me era dito. Eu nunca me senti protagonista da minha história, aceitei ser coadjuvante das minhas aventuras. E sabe, foi bom.

É por isso que realizar coisas me trouxe um novo papel dentro do meu existir. E eu gostei. Entendi as razões por trás dos sonhos, de imaginar os lugares que a gente quer estar, mesmo que a grande maioria dessas coisas sejam apenas pensamentos lúdicos, cheio de pontas soltas. Mas em outros momentos são sentimentos difíceis de se processar. Como foi que eu cheguei até aqui? Minha mente pergunta. A resposta é sonhando, depois querendo, depois tentando.

Quando a gente realiza um sonho a felicidade dói em lugares que nem sabíamos existir. E ao mesmo tempo dá um medo de não conseguir processar todas as emoções. É aí que eu escolhi não pensar sobre o sonho e abraçar o momento. Porque parece que a gente vai cair. Em algum lugar. E eu não quis saber onde.

É que quando a gente realiza algo, mesmo que seja algo considerado pequeno aos olhos de outras pessoas, precisamos descobrir uma nova forma de sermos nós mesmos novamente. Você não é a mesma pessoa que antes estava idealizando, você é um uptade, algo que precisa continuar. Realizar é renascer.