THE MOON IS FULL

Teseu matou o Minotauro para salvar os homens

assim como matou Ariadne

ao entrega-la a Dionísio

Dentro de toda coisa

a guerra habita

eu sou o soldado e a soldada

em dois tempos distintos

do mesmo conflito

Não sei te falar pra onde se vai

quando se morre ou

o que existe entre a flecha e o corpo

além de vento e tempo

Há um misticismo muito grande

ao soltar um balão vermelho

em um campo de gérberas

se é que você me entende

eu largaria tudo

para te dizer que a saudade não vale a pena

que o conflito, neste caso específico

é invenção do ocidente

Me leva pra praia,

seu cabelo me lembra o mar

mas antes me diga

qual é a fórmula que cria o poder

que tira o seu time de campo

e me bota na mira

de um inimigo inexistente

qual é a fórmula

que gera dentro de mim a força

para derrotar o monstro em um único golpe

Não convinha matar

Nunca convém, eu acho

a não ser que

as patas de Minotauro já estivessem sangrando

e de certa maneira, sujando o mar Egeu

com aquele líquido insosso de homem com touro

aí já é outra coisa

Me leva pra praia,

seu cabelo me lembra o mar

O mar é seguro

como o labirinto de Minotauro

O mar é a segurança que eu desejo

e tento alcançar

O mar é seguro

até que se prove o contrário

Se eu falar, você acredita?

existe uma tristeza nos seus olhos

existe uma tristeza muito grande

nos seus olhos que eu não sei decifrar

A espada de Teseu e o quase verde citrino

dos seus olhos

tristes

de algum modo

oxida

mas aquilo era pequeno demais

perante o poder do ocidente

Like what you read? Give Manuela Errera a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.