De todas as coisas

Eu costumo valorizar os pequenos detalhes, os gestos simples, a meiguice, a fofura. Eu costumo enaltecer pequenos momentos, pequenas influencias que na verdade me proporcionam maravilhosas sensações e intensos sentimentos.

Eu costumo pensar nas pequenas coisas que me fazem sorrir durante o dia, como um gesto de uma criança ao sorrir pra mim, como o som da chuva ao cair na madrugada silenciosa, ou quando alguém me manda uma música com canção e melodia que dizem muito mais do que seriamos capazes de falar. A música tem esse poder.

Eu adoro lembrar todos os filmes que já me foram indicados com cuidado, e todos que já indiquei e depois geraram comentários. Gosto de pensar como vejo alguém citar algo que eu disse ou escrevi, como se eu fosse um daqueles pensadores importantes do século passado. Gosto de saber que tem gente que acha isso aqui um passatempo divertido e não deixa de ler as asneiras que eu teimo em escrever.

Eu gosto de lembrar de todas as vezes que cozinharam a minha comida favorita, mesmo sem eu ter ido almoçar. Gosto de lembrar também de todas as vezes que tocaram uma música que eu gosto ou que faz lembrar de mim só pelo prazer de me citar na conversa. Gosto de saber que a pessoa entendeu que eu escrevi sobre ela em algum momento e que se identificou com o meu olhar.

Eu fico admirada quando alguém decide me levar aos lugares que gosta de ir, é como compartilhar comigo um universo pessoal e íntimo, é muito mais particular do que parece. Amo quando sou alvo dos desabafos, só demostra o quanto de confiança existe na relação. Gosto quando entendem que eu não quero sair de casa, mas mesmo assim insistem porque de algum jeito a minha presença faz diferença.

Preciso citar que existem dois pequenos gestos, que na verdade são muito grandiosos pra mim, que me fazem sentir outra pessoa quando acontecem: primeiro que eu amo quando alguém se desloca pra me encontrar, independente de onde esteja e do que esteja fazendo, acho que não existe prova de amor maior do que se mobilizar pra estar comigo, isso é muito lindo. Segunda coisa, que é ainda mais preciosa pra mim, que é me fazer parte da família, durante o tempo eu ganhei tantas tias emprestadas que me tratam como se fosse parte da família que isso me enche de amor. É saber que sou importante a ponto de estar no seio familiar de um amigo. É saber que a relação tem respeito, tem carinho, tem cumplicidade.

Ninguém precisa me dar presente pra me conquistar, ou me manter por perto. Nunca precisou.