Aceitar as coisas como elas são dói pra burro

É bem difícil transformar os limões que a vida te dá em acompanhamento da tequila

A vida gera alguns calafrios inexplicáveis. São sensações físicas das quais você quer correr, mas o coração fica tão apertado que deseja-se, apenas, não sair do lugar. As situações são várias, e aceitá-las ou superá-las pode ser complicado.

Nível médio de dificuldade

Você sonha grande mas consegue agir pouco. É bem legal sair por ai fazendo várias coisas, agitado, empolgado, respaldado. Difícil mesmo é assumir que não sabe e conseguir dar um passo de cada vez, uns maiores e outros menores, numa frequência instável. Aceitar que a ainda pequenez gerará grandeza, meu bem, é coisa pros grandes.
Creditos: THEJASONHU.COM

Nível hard de dificuldade

  1. Seu rolo/namoro/casamento termina e você não entende o porquê. Raios, que dor. A explicação dada para o término nem sempre faz muito sentido e você se esforça para tentar entender — em vão.

2. É difícil aceitar que o trabalho ainda não preenche sua alma. Porque não aceita, você começa a se mexer e busca voluntariado, hobbie, curso, projeto paralelo. Gasta tempo, suor, dinheiro. Porque não aceita, você investe na sua alma.

3. Nada do que você tem pra dizer impacta o cérebro alheio. E nada do que te dizem te impacta. É chegada uma idade que sua opinião sobre o mundo está formada, e a maioria das pessoas que te circundam, estranhamente, já não estão em sintonia. O exemplo mais nítido está no Instagram e no Feed de Notícias do Facebook.

4.Pra sentir-se melhor no seu próprio mundo, você começa a recriar seu universo. Isso gera uma vontade de correr para se expandir, refazer a agenda de contatos, respirar uma variação do oxigênio. O médio-longo prazo não chega porque a gente corre, e não adianta fazer maratona. É uma pena, eu sei.

5. Quando se está preparado para abraçar a causa, projeto ou vida e não consegue fazer com que os interessados percebam sua existência. É um balde de água fria.

6. Sua intuição, que te colocou na melhor tantas vezes, já não adianta muita coisa. É uma sensação horrível.

Balanço geral: aceitar as coisas como elas são é um processo pros fortes. Não tentar mudar as decisões alheias é difícil. Aceitar que não há nada que você possa fazer é coisa de gente evoluída. Não se sentir tocado pelo comportamento dos entes queridos… Meu Deus eu nunca vou conseguir. O comodismo é pros fortes e eu ando bem fraca. #prontofalei

Like what you read? Give Sara Abdo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.