cafuné.

É sua primeira vez?

Ótimo. Pois atenção:

Feche os olhos, inspire e sinta.

Como se junto ao afago, viesse fumaça.

Mas ouça o que eu digo!

É aí que mora o perigo:

Entorpecer vicia.


Ei, você! Sou orgulhosa, mas te peço:

Não se vá!

Mas se for, tudo bem…

Só peço que antes de ir, por favor

Me diga de que safra são

esses dedos que destilam ternura em cafuné!

Pois sofrerão de abstinência estes meus fios,

da digital desse tocar.


Perdoe-me a honestidade,

eu sei que existem vícios mais fáceis,

sem depender de um bem-querer.

Não há praticidade.

Exige-se intimidade, proximidade.

Um selo de autenticidade.


Me decepciono com pessoas.

Mas consigo esquecê-las.

Me arrependo de outros toques.

Mas deixo de senti-los.


Mas não os teus,

Cafuné.

Like what you read? Give Sarah Guimarães a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.