Só existe textão no Samsara.

aviso: esse é o primeiro de um conjunto de textos que quando agrupados farão mais sentido, mesmo que só na intenção.

Acredito que tem quase um mês que eu estou pensando se escrevo ou não esse texto, fico seriamente me questionando sobre a necessidade que o mundo tem da minha opinião, questionando se não seria absolutamente paradoxal, emitir meu ponto de vista em um texto, uma vez que este é o objeto da investigação e porque não, crítica, afinal, emitir opinião em sua origem é um exercício de reforço do ego e dessa forma estaria fazendo exatamente o que todos os outros seres humanos fazem quando defendem suas opiniões, reforçam seus egos. Portanto, notem como estou fazendo exatamente o que o texto está dizendo.

Porém, quando menciono o ato de reforçar o ego, é no sentido mais lógico dos fundamentos do Budismo, que todos nós ignorantes que somos enquanto habitantes do Samsara, reforçamos nosso ego a todo momento querendo ou não.

Assim, no exercício de emitir opinião, sendo ela através de textão, post nas redes sociais, discussões de botequim… só nos mostra a pequenez humana de buscarmos identificação e a imortalidade mesmo que através de nossas ideias. O ímpeto de ganhar na argumentação com aquele que me é discrepante em posicionamento político, econômico, social ou cultural, nada mais é do que o meu instinto de sobrevivência almejando perpetuar, o meu ego se considerando superior ao ego do outro. E isso é o que o ego faz de melhor.

continua…. eu acho.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.