MANIFESTO OU NOTA DE ESCLARECIMENTO

1. Do Perfil

Esse perfil é um experimento.

Nada do que for postado aqui agregará valor a comunidade Medium, por tratar-se apenas de reflexões extremamente interiores.

O que aqui será canalizado tratará (em geral) do meu estado de espirito que transita entre: tédio, euforia, ansiedade e depressão. E a tudo o que me imerge.


1.1 Justificativa

Me propus este experimento por ter um histórico longo de problemas psiquiátricos na familia, é quase como uma maneira para tentar me manter sã e abrandar o tédio da rotina de longos tempos desperdiçados no transporte publico de SP (o que abocanha algo em torno de 2 horas do meu dia).

1.2 – Rejeição ao método tradicional

Não estou fazendo isso em um diário por achar interessante a ideia de ser acessível para quem quer que se interesse agora ou no futuro, sejam pessoas próximas ou desconhecidas

Também acreditar que esta seja a maneira mais “segura” e eficaz de garantir que o experimento não irá se perder por mudanças de cidades, países ou humor. (Não dá para rasgar um celular, e colocar fogo não apagaria os textos ja publicados)

1.3 – Da escolha do meio

Escolhi o Medium por um motivo básico, ele não faz parte da preferencia da grande parte das pessoas do meu circulo social, o que me deixa mais confortável para expressar minhas sensações da forma mais sincera possível e ainda assim, te-las expostas, pois a partir do momento em que publicamos algo na internet, fazemos com que aquilo exista em um mundo e para outras pessoas além de si.


3. Do Objetivo

Cada texto publicado terá a complementação de uma ilustração/fotografia/montagem/afins minha, para ajudar a me expressar melhor já que é uma das linguagens que mais me identifico depois da musica.


4. Da conclusão

Essa experiência não tem ponto de partida, tão pouco o ponto final.

Ela pode ja ter começado, ou estar acabando. Mesmo se estivesse no ápice, eu não saberia dizer.

O importante é esclarecer minhas intenções com essa experiência: É tudo apenas produção poética.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.