Quando o amor ao próximo ultrapassa limites para promover a cura

a mae correia para todos os setores, educaçao,conselho tutelar e saude,objetivo levar o garoto de 8 anos ao psiquiatra,pois todos os envolvidos relatavam que o garoto estava louco,na escola professores nao o suportavam,agredia qualquer um que chegasse proximo a ele ,essa mae lutava algum tempo para conseguir a consulta,porem um dia vi a avo na unidade brava com a situaçao e resolvi perguntar como era o comportamento do menino em casa e como eles o tratava,falei tambem do boato que corria que o pai fingia ser cadeirante,entao a vo confessou que era verdade, que o pai obrigava o menino a ficar trancado dentro de casa ,e as vezes torturava o menino , ele nao podia sair ,tudo isso porque o pai recebia uma pensao por deficiencia, e o menino tinha que ser tachado de louco,pra nao estragar os planos do pai,entao chamei conselho e pedi que ouvisse a denuncia da avo,marquei com a mae e acompanhamos ela e a crianca por um longo periodo,com a condiçao de que se eles nao cuidassem da crianca com amor e atencao iriamos fazer a denuncia para o cortar a pensao, e fizemos de tudo para a crianca nao precisar tomar remedio controlado, e nao precisou ir ao psiquiatra, criamos um vinculo afetivo ,anos mais tarde o pai morreu hoje esse garoto faz faculdade trabalha,participa na igreja e um exemplo de ser humano,quando o vejo ate choro de felicidade, pois atravez de minha intervençao evitei que o menino vivesse dopado de medicamento.


Marilene Serafim Da Silva — Enfermeira — Assis Chateaubriand/PR