Essa Noite Tive Um Sonho Estranho.

Talvez o Sonho Mais Estranho de Todos.

Fui contratado para fotografar um homem incrivelmente bonito. Sua família encomendou esse trabalho porque o cara estava pra morrer.

Mesmo muito doente havia uma beleza magnética alí. O que eu sabia é que ele passou por uma complicação no abdômen e precisou retirar (!) alguns órgãos. Sua barriga estava “negativa”. E ele era soro positivo.

Seus pais queriam o ensaio e também dois desenhos de duas garotas. Naquele momento não enxerguei relação alguma entre os três. Aquela gente parecia muito rica e o perfil das meninas era uma classe média baixa.

Fotos e desenhos entregues, dinheiro na conta. Pensei que era o ponto final dessa história.

Aí tive uma atitude atípica: publiquei duas imagens do ensaio e os dois desenhos das garotas no Facebook. Não publico em lugar nenhum negócios dessa espécie. Já fiz fotografia de casamento, batizado, festa de criança e adulto e terceira idade. Esse tipo de imagem não utilizo em meu portfólio. Costumo falar de minha produção fotojornalística. Acredito que é errado compartilhar a privacidade alheia. No Facebook divulgo o “como foi” dos trabalhos e as fotos dos colegas envolvidos nos empreendimentos. Gosto de contar, em meus álbuns, a história das pessoas que estiveram envolvidas comigo naquele determinado momento profissional.

É em outra rede social, o Flickr, que exponho o produto final de tudo o que produzo.

Publiquei aquelas coisas e fui ler um ePub ou ver um filme no Netflix. Pouco depois peguei o telefone para ver a hora e haviam MILHARES de notificações, todas sobre as fotos do cara bonitão e as garotas desenhadas. Fiquei assustado, meu primeiro pensamento era que o homem tinha afinal descansado e os infinitos compartilhamentos e comentários seriam mensagens de solidariedade e consolo. Me enganei.

Eram ódio e xingamento. Assassino era a palavra comum à todos. Logo achei notas de ofensas dirigidas à mim. Me tornei desprezível por fotografar um monstro.

Quis descobrir quem era o doente terminal gato. Pesquisei seu perfil e achei um post de um mês atrás. Ele começava dizendo que tinha feito um pacto com o demônio. Discorria coisas terríveis a cada linha do seu textão. Que tinha prazer em matar, que a maldade fora pouca para acabar com as duas garotas. O sonho é bem claro sobre o que ele escreveu. Vou pular essa parte.

Entendi que o bonitão tinha matado as duas garotas, foi preso e se fudeu feio na prisão: foi torturado e contaminado com AIDS. Seu texto encerrava assim: “Tudo isso que escrevi é o que as pessoas pensam sobre minha pessoa. Meu julgamento já foi concluído no imaginário coletivo”.

Abri os olhos e respirei aliviado. Foi um pesadelo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.