O problema não é o K-Pop, é o seu machismo mesmo
Capoperia
4.4K47

Eu adorei seu texto. Não sou fã de kpop, mas como estou no nicho do twitter e fã clubes faz praticamente 8 anos, já conheço os tipos de fandons, fãs, fenômenos, etc. Acredito que a crítica a respeito do fanatismo seja válida, pois sim, na indústria da arte — seja de qual tipo ela qual for — haverá sempre aquele indivíduo moldado, o modelo, a pessoa que com quem uma determinada “massa” se identificará. Isso é normal. Em todas as épocas isso aconteceu, a diferença é que a internet juntou essas pessoas com gostos em comum e histórias para compartilhar, mas muita gente pensa que isso é um absurdo. O problema de todo esse questionamento feito pelos youtubers em questão é que eles estão nesse ramo e eles GANHAM A VIDA com o fanatismo de outras pessoas. Não digo quem ASSISTE os vídeos, mas quem consome os produtos deles e chegam a PAGAR para comprar uma camisa/mercadoria com a marca deles não é o ser que assistiu um vídeo e de umas risadas, mas aquela pessoinha que acompanha e admira a ponto de adquirir algo que tenha seu nome. Querendo ou não, eles criticaram exatamente o que os fazem pagar as contas no fim do mês.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.