Porque não se deve acreditar e confiar em pessoas perversas e tiranas.

Uma artística plástica e escritora de meu estado da federação e eu éramos muito amigos, conheço-na do evento de anime que ela organizava.

Nós sempre nos falávamos pessoalmente e virtualmente, até que ela mentiu para mim duas vezes de propósito, ou seja, foi por maldade mesmo.

Reclamei com ela que estava errada e porque e ela, ao invés, de parar, pensar, ponderar, refletir e analisar tudo, preferiu me cortar fora.

Não fiz nada contra ela e ela ainda achou péssimo eu elogiá-la em público, isso antes desse atrito pessoal nosso, por de certo.

No fim das contas, de tanto que insisti em sermos amigos de volta de vez, ela acabou me chamando de perseguidor e me dando uma despedida definitiva.

Eu deveria ter visto logo de cara que essa mulher sofre de algum tipo de TPM, mas tudo bem: não quero, nem preciso dela mesmo.

Até já escolhi outra organizadora de eventos de anime (amiga minha de verdade) para aparecer “pessoalmente” em algumas de minhas narrativas em quadrinhos e livros.

Na próxima postagem, falarei dessa organizadora, da cosmaker que trabalha nos eventos de anime e da irmã da organizadora, bem como de uma das histórias que estou criando em que as três aparecem em conjunto.

Quanto ao mais, já aprendi a não ser mais tapeado por gente malandra.