Os brechós e o novo modo de consumo

Por: Andressa Walter

#Pracegover pilhas de roupas dobradas, fotografia em plano aberto.

O comércio de roupas oferece milhares de opções aos consumidores, um dos modos mais práticos de se obter os produtos é comprando em lojas na maioria das vezes exclusivamente de roupas. Algumas são mais baratas, o comércio árabe por exemplo no Rio Grande do Sul é algo muito forte e os preços são mais acessíveis. Há também as famosas boutiques, as quais em sua maioria trabalham com peças únicas, porém apresentam valores bem mais elevados.

Além dessas opções que o consumidor está acostumado, um modo de vendas que está conquistando cada vez mais espaço no mercado são os brechós. Os brechós são locais que realizam a venda de roupas usadas, nas grandes cidades funcionam com um sistema de compra e venda, onde o cliente tem a possibilidade de vender suas peças para o brechó e se desejado pode também doar, além é claro de poder comprar no local.

Nas cidades menores como no interior no Rio Grande do Sul, esse costume ainda não é muito cultivado. Os brechós locais são ainda sinônimo de roupas velhas e que não possuem mais utilidade, enquanto nos grandes centros de diversos estados a comunidade passa a enxergar o brechó como uma oportunidade de fazer diferente, de entregar roupas que não usamos e que estão em perfeito estado e de comprar roupas novas de pessoas que também aderiram a esse modo. Outros, mais conectados com a moda, veem o brechó como um local para se comprar roupas vintage, que são roupas mais antigas e que atualmente estão na moda, ou até mesmo comprar roupas para customizar e modificar a seu gosto pessoal, e assim como nas boutiques há o fato de que as peças são únicas.

A internet ajuda e ao mesmo tempo atrapalha o negócio dos brechós físicos. Ajuda na divulgação através das redes sociais e atrapalha por que nas cidades de interior a maioria dos brechós acaba ficando somente no âmbito online, o que desfavorece aqueles que trabalham com as vendas físicas, já que hoje a internet possui um público enorme. Muitas vezes as pessoas nem sabem que há brechó em sua cidade, pois acostumam-se a realizar as compras através dos sites e grupos de redes sociais.

Na cidade de São Borja, no Rio Grande do Sul, não há um grande números de brechós físicos, porém algo que favorece essa situação é o fato de haver universidades no município. A Universidade Federal do Pampa- Unipampa por exemplo, recebe diversos alunos vindos das mais diferentes partes do país, o que reforça costumes diferentes, e dentre eles está o hábito de comprar em brechós, como se pode ver no vídeo abaixo.

#Pracegover vídeo contendo entrevistas com estudantes da Unipampa, declarando por qual motivo compram em brechós.

É então, través desse público que o mercado ganha proporções cada vez maiores, crescendo nas cidades desenvolvidas e tendo início nas cidades pequenas. Cada um possui suas motivações para comprar em locais assim, mas o principal motivo que leva todos a procurarem pelos brechós é o preço, os valores baixos atraem a todos. Caio Santana, tecnólogo em gestão de marketing, comenta sobre esse fator no áudio a seguir.

E assim, como afirmado por Caio Santana e Rayssa Caravalho no áudio acima, os brechós ganham espaço e se popularizam, reforçando uma cultura com novos hábitos onde economizar é a principal preocupação.

Like what you read? Give SBtem a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.