Cyberbullying: A Violência Covarde

Por Larissa Petry

A violência virtual tem impacto real na vida de quem a sofre.
Cyberbullying é disseminar discurso prejudicial ou cruel ou se envolver em outras formas de crueldade social, usando a Internet ou outras tecnologias de comunicação e informação.

Para aqueles que convivem, conhecem ou ao menos prestam atenção no comportamento dos jovens e crianças, sabem como as mesmas enxergam todo e qualquer defeito e não se sentem envergonhados em comentar sobre ele. Porém essa natureza infantil vem saindo do plano físico e entra em uma nova dimensão onde tudo se torna mais púbico e perigoso.

O fenômeno apareceu a apenas alguns anos atrás com o uso de dispositivos eletrônicos, como computadores e smartphones, por jovens.

O agravante do cyberbullying é a constante agressão que o agressor é capaz de infligir sobre seu alvo, uma vez que, diferente do bullying convencional em que a vítima tem contato presencial limitado com seu agressor, no mundo virtual o agressor tem sempre a vítima ao seu alcance, a qualquer hora do dia ou da noite.

Os ataques sofridos por uma vítima de cyberbullying são geralmente direcionados a características pessoais da vítima e são feitas em meio público, denegrindo a imagem pública da vítima e afetando sua autoestima. O abuso é constante e pode tomar grandes proporções, já que a dinâmica do mundo online é enorme e, na maioria das vezes, impossível de se controlar.


Consequências

As pessoas agredidas pelo cyberbullying apresentam sintomas bastante similares com os do bullying, como:

  • distúrbio do sono
  • problemas de estômago
  • transtornos alimentares
  • irritabilidade
  • depressão
  • transtornos de ansiedade
  • dor de cabeça
  • falta de apetite
  • pensamentos destrutivos, etc.

Outra característica marcante do cyberbullying é que o agressor nem sempre, ou quase nunca, é identificado, uma vez que é possível manter-se anônimo no mundo virtual. Estudos indicam que essa impessoalidade pode ser um dos agravantes da epidemia desse fenômeno, uma vez que o contato virtual e indireto pode dessensibilizar as partes envolvidas na agressão, já que não há contato direto com o sofrimento da vítima ou com as consequências do seus atos.

Existem muitos meios de evitar o cyberbullying, porém ninguém parece segui-los. Mesmo assim existem muitos sites que oferece ajuda para as cybervictims, além de disponibilizar o acesso para os interessados em entender o que é cyberbullying e modos variados de como mudar esse quadro, e vários outros que organizam campanhas em escolas do mundo inteiro incentivando o cessamento da prática de bullying e cyberbullying.

http://www.stopbullying.gov/cyberbullying/ http://www.bullyingcyberbullying.com.br/