Férias Com A Melhor Companhia!

Então as tão esperadas férias chegam… Mas tem um porém, você não programou nada e não tem ninguém que possa viajar com você… E aí? Bora viajar com contigo mesma! Isso, não existe melhor companhia que a gente mesma.

Foi o que eu fiz!

Super de última hora, decidi que não poderia passar as férias inteiras apenas de bobeira em casa. Mas eu também não poderia me jogar em uma aventura extrema, meu financeiro não permitiria(hehe).

Conversando com um amigo sobre o que fazer ele sugeriu conhecer algum lugar novo para mim, citou Pelotas-RS. A partir daí a internet foi minha parceira. Pesquisei tudo sobre a cidade, atrativos turísticos, lazer, culinária, hospedagem… E encontrei um lugar apaixonante!

Primeiro ponto a definir foi onde ficar. Como eu não podia gastar muito, garimpei um lugar para me hospedar e achei um hostel mega simpático! Comparei valores e instalações e vi que tinha achado meu ‘lar’ por quatro dias.

Depois de fazer a reserva no hostel, o segundo passo foi ver as passagens de ida e volta. Sendo que não tive muita escolha, afinal tem apenas um horário pra lá… Passagens compradas, reserva feita, agora é só arrumar a mala!

Dessa vez me superei! Fui super básica na escolha do que levar para a viagem, apenas o necessário, nada de exageros(difícil para uma mulher, hehe)! Como eu ficaria num hostel e, num quarto compartilhado, isso mesmo, fiquei em um quarto onde poderiam estar mais onze mulheres mas, não estava lotado, eu teria apenas um espaço para guardar minhas coisas, espaço esse que trancava com cadeado por via das dúvidas, então quanto menos bagagem melhor!

Preciso comentar com vocês essa incrível experiência de ficar em um hostel. Uma que o lugar é super aconchegante e, outra que você conhece quem também está hospedado lá, as pessoas interagem, trocam ideias, rolam altos papos e um ajuda o outro. Amei isso! Sempre que puder, fique em um hostel, a experiência é única, eu recomendo!

Pois é, mala pronta! Agora é hora de partir!

Eu nem sabia que onze horas demoravam tanto para passar… É, onze horas de muita estrada até chegar em Pelotas. Dormi, ouvi música, li, conversei com a mulher que sentou ao meu lado, comi, dormi mais um pouco e admirei a paisagem. Conforme íamos andando a paisagem ia se transformando. Engraçado como cada região tem suas características próprias! Passei por grandes plantações, campos, serra e planícies sem fim… Até chegar ao destino!

No caminho da rodoviária até meu ‘lar’ já pude perceber que eu estava em uma cidade histórica, com uma arquitetura admirável, muito diferente do que vejo no meu dia a dia, na minha cidade.

Logo que cheguei já tratei de saber como fazia para chegar no Centro Histórico, conforme tinha visto na internet, ao redor de uma bela praça eu encontraria os principais pontos de Pelotas. Super fácil de chegar, fui direto ao Mercado Público da cidade, lugar espetacular, com muita variedade e opções do que fazer.

Tive a sorte de estar em Pelotas durante um festival de música. Mas não era um festival de música qualquer, era de música clássica, música instrumental, lindo festival… Com apresentações a toda hora e em todo lugar. Pude assistir um enquanto passeava pelo Mercado, foi incrível!

Quando escolhi meu destino nessas férias eu queria muito mesmo conhecer a Biblioteca Pelotense e o Teatro Guarany, mas devido ao Festival estavam fechados para visitação. Então me programei para assistir um espetáculo na Biblioteca, porém ao chegar lá já estava lotado e um monte de gente estava como eu, louca para entrar, mas sem poder.

O que foi que provei antes de qualquer outra coisa? Os doces de Pelotas! Voltei de lá simplesmente apaixonada pela queijadinha e o quindim(apaixonada e com uns quilinhos a mais…)!

Mas além de doces e prédios históricos, a cidade também tem um pub massa! Fui lá, sim! Sozinha, sim! Comi um negócio delicioso(não pergunte o nome que não me lembro), tomei uns chopes artesanais deliciosos e ouvi um bom rock! Um baita programa para o sábado a noite!

Ah o Laranjal… Que lugar! Uma praia de água doce, banhada pela Lagoa dos Patos, tranquila e de uma beleza memorável. Gente, uma praia com um calçadão lindo e com belíssimas árvores, árvores que pareciam jurássicas(algumas sim!) e sempre, sempre com vento, mas não tinha aquela areia chata vindo junto com o vento, não, não… É uma delícia ficar no Laranjal! Sai de lá com muuuuita vontade de voltar…

E para finalizar conheci o Cassino e os Molhes da Barra. Outro lugar que amei conhecer! Andando pelos Molhes tive a sorte de ver golfinhos e aves marinhas. Fui com um grupo de turistas até a outra ponta, fizemos isso de vagoneta, tipo um tremzinho que é levado pelo vento. Esse passeio é tradicional do local, feito a muitos anos e muito gostoso de fazer, enquanto anda lentamente a gente pode registrar tudo e curtir a sensação de estar no meio do oceano.

A praia do Cassino tava uma delícia! O mar estava calmo e a areia limpinha. Como é bom renovar as energias com um banho de mar… Ótimo para começar bem o ano!

Além da praia em si, o Cassino tem o Barracão, lugar onde se encontra de tudo, inclusive um sorvete feito na chapa que eu comeria todos os dias da minha vida de tão bom e tão diferente que é.

Chegou a hora de voltar…

Onze horas de estrada novamente… Mas agora a mente estava cheia de lembranças maravilhosas de dias incríveis que vivi! Passei o caminho relembrando…

De tudo isso que vivi esses dias, uma coisa vou levar pra sempre! Além de conhecer lugares novos eu me conheci. Sim, eu vi que sou muito mais do que eu pensava ser. Uma viagem dessas, somente com sua própria companhia, faz você ver que é capaz de tudo o que quiser, o que desejar, o que sonhar. Você prova você!

Mas aguardem que ainda vou falar mais sobre a experiência de curtir a sua própria companhia, esse é um assunto que tem muito pra ser discutido ainda, muitos tabus a serem quebrados!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Scheila Berwaldt’s story.