durante o banho, para mim mesmo

fala, cara, tudo bem? lembra de mim? é, parece que nessa cidade todo mundo sempre se lembra de todo mundo. sei que não falo contigo há dez anos, talvez mais, mas vou te pedir um favor: me deixa falar contigo, sem me interromper, por um minuto? juro que é rápido. brigado.

você lembra de quando nossos amigos abriram o bar, ainda na época do colégio, na frente da rodoviária? era meio que o sonho de todo mundo e acho que todo mundo acabou ajudando. você deve se lembrar da noite de inauguração, então.

foi uma noite foda demais. eu lembro de ser seis da manhã e eu estar comendo hambúrguer, ainda lá, com o sol nascendo, e aquele frio bizarro — uma das melhores noites da minha vida. enfim, teve uma hora que, não sei com que contexto, se é que tinha algum, a gente tava todo mundo na mesma mesa, todos os amigos, e você casualmente no meio de uma conversa virou pra mim e falou:

— Mas isso é porque você é um merda, né.

só isso. na frente de todo mundo. e eu, obviamente, não respondi. teve gente que virou a cara, gente que riu, e eu fiquei quieto. porque eu era um merda mesmo, sabe? todo mundo meio que era, bando de adolescente. mas você me humilhou, mesmo, é uma daquelas memórias que eu lembro até do momento; e olha que eu tava bêbado.

bom, eu não quero suas desculpas, até porque eu nem sei mais quem você é, e eu mudei pra caralho também. dez anos, né. só queria falar isso pra você porque agora eu moro aqui de novo e a gente meio que tem os mesmos amigos, então não vou conseguir te evitar pra sempre.

mas queria te falar, pervertidamente te agradecer por ter sido um completo babaca comigo, mesmo que eu não consiga olhar na tua cara e não ficar com raiva, vendo esse seu sorriso sonso. isso me fez mudar bastante, pra melhor, mesmo que não consiga te perdoar. enfim, só não fica nervoso quando eu não estiver sendo a pessoa mais feliz do mundo quando você estiver por perto, e espero, mesmo, de coração, que a gente consiga se conhecer de novo e pelo menos curtir os mesmos momentos. é isso, mal cortar sua onda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.