A curva da mudança

Nossas energias flutuam durante todo o dia. E entender um pouco mais por quais estágios internos passamos durante estas flutuações é uma ótima forma de tomar mais consciência de si e identificar oportunidades de melhoria.

A curva da mudança

No eixo Y vemos três tipos de energia, entre as quais oscilamos durante a curva da mudança. Estas energia impulsionam a forma como agimos em cada etapa. Estas sensações podem ser vivenciadas em maior e menor escala, dependendo do estado de espírito da pessoa, do conhecimento que ela tem de si, do ambiente em que a mudança ocorre, dos envolvidos neste processo e de diversos outros fatores. Lembremos que isto não é algo absoluto, afinal estamos lidando com seres humanos.

Energia ativa: neste nível de energia passamos pelo estado da ação. Muitas vezes não esperamos as coisas acontecerem, não raciocinamos e, simplesmente, agimos. Por vezes, o fazemos sem pensar nas consequências. Mas também enxerguemos esta energia ativa por uma ótica positiva. Neste estado podemos ser proativos e agir em direção à mudança, não esperamos que algo chegue até nossas mãos, vamos de encontro aos recursos que precisamos.

Energia passiva: neste nível de energia observamos o estado de reação. Muitas vezes, podemos nos tornar reativos e simplesmente esperar que tudo caia do céu em nossas mãos, ou não temos motivação suficiente para darmos um passo à frente com nossas próprias pernas. Mas esta energia passiva pode ser observada também em momentos onde precisamos de uma maior reflexão e espera, onde simplesmente agir não vai adiantar de nada.

Energia estável: consideremos a energia estável como um mix de energia ativa e passiva. Estamos em um estado oscilante entre estes dois níveis e assumimos algumas características de energia ativa ou passiva, em menor escala (muito menor) durante o dia a dia. Podemos considerar que, normalmente, estamos neste nível de energia durante boa parte do nosso dia.

No eixo X podemos observar o tempo. E este tempo vem, como o próprio nome diz, nos demonstrar o tempo em que a curva da mudança se completa. Pelas mesmas motivações da energia, este tempo também pode variar. Podemos passar pela curva da mudança em minutos ou segundos, mas também anos ou décadas. A intensidade da mudança e o estado de espírito da pessoa são fatores críticos para que este tempo se estenda ou não.

Impulso da Mudança

Este é o início da curva. E, talvez, seja a parte fundamental deste processo. A percepção que, inicialmente, temos neste primeiro momento definirá como vamos agir durante as próximas fases da mudança.

Percebam que o nível de energia é estável. Isso se dá pelo fato de sairmos de um padrão de constância, onde estamos em um momento de “águas mansas”. O impulso da mudança passa a ser o fator de movimentação destas águas e faz com que iniciemos o processo.

Na curva da mudança podemos experimentar, visualmente, um processo que ocorre (muitas vezes inconscientemente) durante determinado fato pelo qual passamos, uma notícia que recebemos, um fato que presenciamos, ou qualquer outro evento que, de certa forma, nos faça ter uma oscilação de energia.

E dizemos que a energia precisa oscilar justamente pelo fato de que se não há oscilação de energia e não há movimento, não haverá também a prospecção e necessidade de passar por um estágio de mudança.

Receber a notícia de uma demissão, a perda de uma pessoa querida ou uma ofensa são ótimos exemplos de impulsos que ativam a curva da mudança.

Para continuarmos, vamos tomar como exemplo de impulso a notícia de que um relacionamento de anos está acabado. Acredito que seja um ótimo laboratório para entendermos melhor esta curva.

Choque

Logo após o impulso da mudança ocorre o choque. E perceba que a energia se torna passiva. Isto acontece, justamente, pela primeira reação que temos.

Esta energia passiva destaca-se pela nossa incapacidade (ou perda potencial da capacidade) de reagir diante da situação com a qual nos deparamos. Sabe quando a gente fica com aquela “cara de paisagem” e sem entender nada, sem reação? E quando dá aquela vontade de sair correndo, aquela taquicardia desgastante e a respiração ficando ofegante? As sesanções também são diversas, variando conforme a experiência de vida de cada indivíduo.

Ao receber a notícia de que o relacionamento não mais existe, que está tudo acabado, algumas pessoas tendem a dizer (ou pensar) na mesma hora: “meu mundo ruiu”. Diversas imagens começam a vir à mente, passa-se a vida diante dos olhos, por um instante, momentos bons e não tão bons assim, e de repente tudo fica vazio, não há espaço para pensar.

Negação

E logo após este choque começa a negação. Da dificuldade de aceitação do fato, iniciada no estágio anterior, inicia-se um processo de defesa do estado atual, onde buscamos manter o controle sobre a situação e queremos acreditar veemente que tudo ainda está como antes. É costumeiro ouvir algo como “não é possível que isto esteja acontecendo”, “não posso e me recuso a aceitar”, “não vou deixar você”, “não me peça para te esquecer” e tudo que é forma de negação

Perceba que a energia começa a sair do estágio de reação e começa a caminhar para um estado de ação. Isto se deve ao fato de que a mudança, primeiro, causa um forte impacto, que para tudo. Depois de recuperado deste impacto a pessoa volta a agir e pensar sobre o fato.

A notícia de que está tudo acabado, depois deste impacto, faz com que a pessoa realmente tente se negar de todas as formas a acreditar que tudo acabou.

Raiva

Primeiro, entendamos raiva não como um sentimento ruim. Entendamos como uma enorme energia ativa que nos faz buscar novamente o controle da situação, acima de tudo. Esta tentativa de recuperar o controle é facilmente vista nas ações envolvidas por ira e um descontrole sobre as próprias ações. Muitas vezes é a única forma que encontramos para reaver tudo e, por um momento, nada mais importa. Neste momento também começamos a reconhecer e aceitar a realidade do que está acontecendo.

Após a negação de que o relacionamento terminou, por muitas vezes a pessoa tende a gritar e enfurecer-se com a situação. Quantas vezes não vimos relacionamentos terminarem em tragédias, até mortes? Muitas destas grandes tragédias podem ter acontecido neste estágio da raiva.

Barganha / Negociação

Neste ponto, a energia começa a baixar novamente. Os ânimos se acalmam, começamos a analisar os impactos que esta mudança pode gerar e, ainda na tentativa de defender o pensamento de “tudo deve continuar como antes”, começamos a negociar a situação (seja com os outros, seja com nós mesmos).

Neste estágio tendemos, ainda, a não medir esforços para que sejamos favorecidos de acordo com nossas vontades. Talvez algumas pessoas até se valham de mentiras para que continue tudo como era. No final das contas, o importante é sair ganhando. Imagine que após terminar um relacionamento a mulher ficou extremamente irritada e sem rumo. Por um momento, ela se acalma, engole o choro e diz “estou grávida”. Ou talvez o homem diga “se você me deixar, vou te perseguir”. E sabemos que isto quase nunca acontece no nosso mundo não é verdade?

Depressão

Depois de tanto negociar, não há mais nada que possa fazer. Tudo está acabado. As forças se esgotam. A energia se torna extremamente passiva, a ponto de, muitas vezes, a pessoa perder a vontade de viver.

Pode-se perceber, nesta fase, a tentativa constante de culpar os outros pela situação atual. Talvez existam comentários como “se não tivesse acontecido isto, eu estaria melhor”, “se ele(a) tivesse agido diferente, não teria acontecido nada disto”.

Ainda no caso de término de uma relação, quantas pessoas deixam de fazer tudo, simplesmente se entregam à tristeza? Ficar em casa, ver televisão e comer chocolate, faz sentido para vocês?

Testar

A pessoa ainda pode escolher começar uma vida nova, aceitar a mudança. E esta é a fase em que se inicia uma nova vida, onde nasce um novo “eu”. Aqui cabe uma frase que gosto muito, que diz “me permito ser modificado pelo que acontece comigo, mas não me permito reduzir somente a isto”. Muitas vezes uma ajuda de amizades é bem vinda nesta fase. Algumas vezes, ela tem um papel fundamental para que a pessoa siga em frente.

Perceba que a energia começa, novamente a se estabilizar e caminhar rumo à positividade.

A descoberta de ainda estar vivo, apesar de tudo, e começar a enxergar o mundo sob outras perspectivas é um forte traço deste momento. Algo como “nossa, eu posso ser feliz desta maneira também”, “eu posso ser diferente e começar a não depender dos outros”, “eu nunca pensei que fosse possível, mas agora enxergo outras oportunidades”.

Imagine esta pessoa que terminou o relacionamento sendo convidada para sair com os amigos e ela começa a perceber que também é possível ser feliz sem aquela pessoa que antes parecia ser a única motivação para viver. E que não só a felicidade, mas tudo, começa dentro, e não fora.

Adaptação

Continuando a ascendência da curva, após descobrir muitas possibilidades de ainda continuar a vida e o caminho após a mudança, começa a fase de adaptar-se a isto. E aqui começam, ainda mais, as descobertas. A energia começa a ser cada vez mais ativa e a experimentação de diversas alternativas acontece.

Também pode-se observar a aceitação e ouvir algo como “tudo bem, eu entendo e respeito o que aconteceu. Agora, bola pra frente”, “foi algo bom, que me fez bem, mas agora a vida continua e serei o melhor que posso ser”.

O apoio de pessoas próximas pode ajudar, e muito, neste momento de adaptação. Estar próximo de pessoas com quem nos sentimos seguros nos dá força para resistir à lamentação e murmuração.

O relacionamento daquela pessoa acabou, ela descobriu que pode ser feliz por ela mesma e começou a viver novamente, estabelecendo novos círculos de amigos, conhecendo pessoas novas. A vida segue e tudo pode mudar.

Aceitação

Na aceitação acontece o ápice da mudança. Enxerguemos como um “Yes! Eu consegui! Eu posso ser melhor, acima das adversidades!”.

Conseguimos olhar para trás, para toda a curva e dizer que tudo foi um grande aprendizado e tirarmos a parte positiva de tudo isto. E o fundamental: honramos e respeitamos nossa história.

Perceba que o nível de energia também atinge o ápice, mas agora da energia ativa. Caminhamos com nossas próprias pernas e continuamos a escrever nosso próprio destino.

No relacionamento acabado, que usamos como exemplo, observe a libertação da pessoa ao dizer “Eu posso ser feliz! E isto é o que importa”. Ou expressões que dêem essa sensação de liberdade.

E que tal recapitularmos tudo de uma forma ainda mais prática? Um diálogo interno, uma visão sobre uma situação em cada etapa da curva! Vamos lá?

Impulso da mudança: — Olha, não há mais nada entre nós! Adeus!

Choque: — Como assim? Como não há nada entre nós? O que eu vou fazer? Sempre estive com você durante todos estes anos. Construímos uma história juntos e não me vejo sem você!

Negação: — Isto não pode estar acontecendo. É uma brincadeira. Diz que é apenas uma brincadeira, e de muito mau gosto! Recuso-me a acreditar!

Raiva: — Eu achando que você saía com suas/seus amigas(os), mas na verdade não era né? Desde quando vocês estão juntos? Sua/Seu $&%@*. Você não presta! Some da minha frente!

Barganha: — Desculpe, eu me estressei um pouco. Não queria dizer nada disso. Vamos voltar! Eu prometo melhorar. Não vamos mais brigar. Vamos nos dar outra chance? Faço que você quiser!

Depressão: — Nãããããoooo! Por favor, eu vou morrer sem você. Já não vejo mais sentido na vida. Você é minha vida. O que será de mim agora? Vou me fechar para o mundo, para sempre, até voltar um dia. Eu sei que vai voltar.

Testar: — Bem, quer saber. Acho que vou tentar conhecer outras pessoas, sair com minhas amizades, experimentar como é bom ser solteiro(a). Quem sabe eu possa tirar umas férias, viajar? Ou possa ir para a casa de meus pais um pouco, rever a família.

Adaptação: — Nossa, não é que essa vida é boa mesmo? Querida liberdade, como pude viver tantos anos sem você? Espero que, da próxima vez, eu não a deixe por ninguém. Ser eu mesmo(a) é o que importa.

Aceitação: — Sim! Está tudo acabado, eu sei! Não quero mais isso para a minha vida. Fico com os momentos bons e permito que os não tão bons assim se transformem em aprendizado. Cresço com tudo o que passou. Obrigado(a) Fulana(o), por tudo!

Vivemos esta curva da mudança o tempo inteiro, em diversos níveis de intensidade. Ter cada vez mais consciência de nosso momento atual dentro dela ajuda a se conhecer um pouco mais e permitir-se REconhecer nossa essência e não aquilo que as pessoas esperam que sejamos.

Que seus impulsos de mudança sejam cada vez mais acompanhados de consciência de si e oportunidades de aprendizado.

Like what you read? Give Sergio Luciano a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.