memórias de um financiamento coletivo #9

estamos em campanha de financiamento coletivo do jogo GROK, um jogo para apoiar a prática de comunicação não-violenta e exercitar a empatia consigo e com o outro. estes textos são relatos do que vive em mim durante os dias de campanha.

consciência | equilíbrio | constância

ontem uma querida amiga disse: “acredito que ter intervalos de descanso e deixar a comunidade cuidar do projeto um dia aqui e ali seja um parte saudável do projeto em vários níveis”.

hoje me permiti ter esse intervalo. cuidar de outras coisas também importantes. tinha uma meta clara: não olhar pra campanha hoje em nenhum momento do dia.

essa coisa de ansiedade tava me consumindo. a ponto de querer monitorar a campanha de tempos em tempos e não conseguir me focar em nada.

celebro ter conseguido ficar ausente por hoje da campanha. me cuidar. o dia rendeu bastantão.

foi proposta comercial sendo montada. conversas com a Laura. reuniões produtivas e possíveis parcerias para atuar com o poder público na área da saúde. caminhada. mais conversar com a Laura. cinema pra relaxar. jantar na casinha linda, com amizades queridas…

aí foi lindo me permitir perceber que a comunidade também cuida do projeto. com indicação, demonstrando interesse, celebrando e dando opiniões. interagindo. :)

encontrei um equilíbrio. e isso foi saudável.

parece que essa coisa do “quanto mais melhor” é um mecanismo automático apitando o tempo inteiro. mais trabalho. mais fazer. mais mais mais. mais sei lá o que… foi tão bom quebrar esse padrão conscientemente.

agora acolher a ansiedade um dia não significa que já tô bonzão nessa coisa. próxima etapa: consistência.

como lidar no dia a dia com a ansiedade que teima em chegar? a vontade de parar uma coisa para ir lá checar a campanha só pra satisfazer minha necessidade de aceitação?

perguntinha que vai ser cuidada nessa noite de descanso.

celebro as transformações internas que acontecem dia a dia aqui. celebro sua presença na leitura e o acolhimento que sinto. 🙏🏽

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.