Por Um triz,
de Talita Nogueira

“A próxima vez que me esboçar um abraço
Não seremos mais números primos
Nem pares, nem ímpares
Vai que...
Um sopro de vento norte te toma o lápis e...
E pelos meus cálculos nada exatos,
Perderemos as contas
Por um triz...
Seremos dízimas,
Infinitas e breves
Seremos números ímãs?
É bom não ter medo do campo magnético
Vai que... pra variar,
Distraídos, esqueçamos de desviar os olhares
Esqueçamos de calcular o passado, de medir o futuro
E da soma
Seremos um só beijo
Inteiro e indivisível!
Por um triz...
Ou simplesmente deixemos os números de lado
E escrevamos poesias ...
Sem medidas, nem regras
Sem métrica alguma,
Apenas absurdas e reais!
Mesmo que infinitas e breves como todas elas
Como todos os encontros não marcados
Que fazem os esboços valerem a pena
E torna os versos inevitáveis
Por um triz...”

Show your support

Clapping shows how much you appreciated ser sí mesmo’s story.