~ O trabalho que paga melhor.

Fonte Imagem: comoliveit.com

Por mais que eu receba bem, com o que quer que escolha fazer da vida, sempre vai existir algo que possa me remunerar mais, ou mais rápido.

Mas nenhum trabalho me paga MELHOR do que aquele que eu amo. Aquele trabalho que “não parece trabalho”.

Antes pensava que isto era “papo de gente folgada e preguiçosa” e hoje percebo que a maior folga na vida mesmo, é não me dedicar ao que realmente quero fazer! A maior zona de preguiça é aquela que atravesso empurrando com a barriga um cargo que não me inspira, independentemente das ditas “necessidades”. Fazer o que amo soa até bem romântico, mas não é tanto assim. Tem desafios em cima de desafios, basicamente sempre e nem todos são “flor que se cheire” - como em qualquer trabalho. Mas no final das contas o saldo é GRATIFICANTE, de uma forma que qualquer coisa que eu não faça com amor deixará a desejar.

O trabalho que me paga MELHOR é este, que me enriquece por dentro primeiro, antes de eu ver a cor do dinheiro… ou de já tê-lo recebido e ainda não ter usado… Está além das finanças.

Sabe o jeito bom e saudável de um trabalho “tomar conta da vida” ? É quando me conecto antes de ir, enquanto estou, e depois de voltar ! Algo com o que eu VIVA conectada, do qual só me separo em momentos pontuais, mas que num geral da vida : já faz parte do que sou mesmo. E muitas das vezes: sempre fez! Antes de efetivamente trabalhar eu estou ali: focada estudando, lembrando de coisas que possam agregar e anotando, pesquisando e aprendendo mais, vivenciando aquela expectativa gostosa de quem logo vai encontrar com alguém que ama, porque amo mesmo! ( Não tem separação obrigatória do Eu Pessoal e o Eu Profissional, embora exista a clara consciência de cada um… ) E depois de voltar … Ah, o depois. Aí sim, é uma completa apaixonada que chega em casa! “Cega de alegria” , com aquele sorrisão de orelha a orelha, eufórica ou “sedada” de contentamento, tanto faz : toda vez que volto de um atendimento de Coaching, por exemplo, volto boba.

Toda vez que volto também de uma aula, ensaio ou espetáculo de dança, é assim. Sempre que “termino” de escrever algo que precisava. Toda vez que volto pra casa depois de dar uma aulinha de inglês pro Viccenzo (meu amiguinho de 8 anos!) ou deitamos pra dormir depois de cuidar dele e de sua maninha Giovanna: é a MESMA sensação, só muda a data. Uma hora e meia com um cliente me “alivia” de qualquer expediente de oito horas dentro de um escritório … Muitos foram os expedientes que nem vi passar, por não estarem tão cansativos assim … Mas raros foram aqueles que me fizeram sair mil vezes melhor do que entrei. E é aí que eu me refiro. Exercitar minha Essência é mais que um “trabalho” , é constante renovação e fortalecimento de ânimo! Fazer o que amo espairece mais minha mente do que qualquer pub com amigos e energiza profundamente, como meditar de frente pro mar.

Qualquer tipo de trabalho como este paga melhor, definitivamente!

E pra trabalhar no que amo, precisei primeiro reconhecer que posso… Me reconhecer é que possibilita “ao Outro” fazer o mesmo. Não o obriga, claro, e sim convida =D

Tem a frase que diz “se eu não me amar, ninguém vai fazer por mim” … Mas na prática vi uma diferença: quem nos ama tanto, muitas vezes quer amar até por nós mesmos, em nosso lugar. Se percebem que não estamos conseguindo sozinhos, querem nos reconhecer e amar por eles e por nós mesmos, queridos. É um ato de amor e carinho, mas não adianta. Não tem como fugir : é eu mesma que preciso me amar e reconhecer antes, incondicionalmente. E me “presentear” aos poucos e cada vez mais com o trabalho que amo tem sido um ato de amor próprio e auto reconhecimento.

Quando chega um cliente novo, por exemplo… Bem antes dele(a) confiar em mim sem conhecer efetivamente meu trabalho ainda, eu conheço mais e estou confiando. Na negociação, quando preparo conteúdo, faço relatório, quando finalizo, etc. Em tudo o que faço - e até mesmo quando falho, porque também posso falhar. Tudo isto está envolto ( ou deveria estar! ) em autoconfiança e amor-próprio e só assim sou capaz de dar o meu melhor.

Os clientes que tive, tenho e ainda vou ter significam todos, cada um de sua forma, um Mestre a mais na minha jornada de prosperidade. Um trabalho feito com amor de fato paga mais que dinheiro!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.