Houve um tempo que, inconscientemente, passei a acreditar que a felicidade consistia em tudo que temos. Comecei minha vida profissional trabalhando no Mercado de Capitais, um ambiente bem hostil, onde amor e generosidade são dispensados no trato entre as pessoas no dia a dia.

Pouco a pouco, sem perceber, fui me misturando àquele ambiente e sendo exposta aos valores materiais como sendo os mais importantes da vida. Infelizmente, acreditei. Mas, recebi uma dura (e necessária) lição da vida, a qual agradeço até hoje.

Passaram-se alguns anos de trabalho nesse ambiente, até que o stress por conta do intenso volume de trabalho e pressão por resultados me levaram à depressão leve. Foram mais alguns anos tentando tratar com médicos e terapeutas enquanto estava ainda em atividade no trabalho, pois achava perda de tempo e “drama” parar a vida por conta de uma “simples” depressão que iria passar. Lembro até hoje de minha mãe me perguntando “você não gosta da sua saúde? Por que se maltrata assim?” e eu respondi “Eu gosto é de dinheiro”.

Pois bem, meus relacionamentos foram tomando a forma do mercado financeiro. Aprendi a brigar para conseguir o que queria, aprendi a manipular pessoas, aprendi a falar duro para oprimir qualquer reclamação. Sem perceber, fui levando este molde de relacionamento para meu convívio.

Hoje, percebo que estava cega e desinformada sobre os propósitos do Cosmos, me deixando levar pela energia do dinheiro e da vantagem pessoal em tudo. À época, não entendia por que me sentia tão mal internamente, sempre agitada, estressada, cheia de razão e verdades absolutas. E, no fundo, também magoada e com a autoestima muito baixa.

O Plano Espiritual foi então “fechando o cerco”. A cada dia, mais discussões, brigas e desrespeito. A cada dia, mais insuportável. Até que comecei a ter crises de pânico. Foram várias mudanças de emprego para tentar resolver minha situação, mas sempre aparecia um chefe ainda pior, colegas ainda mais difíceis, metas mais altas. Minha saúde mental foi piorando, entrei em depressão profunda e perdi tudo de material que havia conquistado.

Foi então que me vi um dia em casa, sozinha, tomando três tipos de medicamentos diferentes, já zonza por conta dos efeitos, mas longe de estar calma ou em paz. Lembrei do quão doce e cheia de esperanças eu era. Percebi o quão amarga e cética estava naquele momento. Lembrei que costumava rezar, lembrei de minhas claras experiências mediúnicas de outrora e decidi pedir ajuda a Jesus e a todos os amigos espirituais. Pedi um caminho pra me tirar daquela situação, pois eu não estava conseguindo mais sozinha e estava jogando a toalha ali.

Um mês após isso, sonhei que havia um coração batendo dentro de minha barriga, uma sensação maravilhosa, e acordei com um intenso desejo de ser mãe — algo que estava totalmente fora de meus planos e desejos. Penso que esse sonho tenha sido a maneira dos Amigos me ajudarem a tomar essa decisão. Mais um mês depois, descobri que estava grávida de meu primeiro filho. Durante toda a gravidez fiquei em casa e fui me reconectando com Deus, conversando com amigos espirituais, pedindo que me mostrassem o caminho. Foi um tempo de profunda e total reflexão, algo que me reaproximou de Deus. Passei a confiar. Eu dizia, do fundo do meu coração, que entregava nas mãos de Deus e Jesus Cristo meus caminhos. Comprometi-me a apenas dar a minha parcela de boa contribuição ao mundo sendo uma boa pessoa, amorosa, compreensiva, generosa. Compromisso esse que reafirmo todos os dias e tento, em meu dia a dia, deixa-lo sempre presente.

Meu filho me mostrou uma capacidade de amar tão grande que a depressão de anos passou. Não cabia mais na minha vida cheia de amor, e eu não era mais egoísta. Então ela simplesmente sumiu de minha realidade.

Lembro que parei de pedir a Deus. Só agradecia. Agradecia e chorava de emoção por ter provado da misericórdia de Deus, pois Ele me havia enviado o meu pequeno salvador particular chamado Lucca. Não havia mais nada que poderia pedir, pois só de sentir aquele amor dentro de mim, já me sentia plena, feliz, completa.

Eu ainda precisava de um novo emprego, mas já confiava plenamente nos propósitos Dele e aguardei com certeza e sem angústia. E então recebi uma ligação de um amigo de anos atrás me indicando para uma vaga fora do mercado financeiro, em uma boa empresa, com valores humanos muito acesos.

Hoje já recuperei tudo que havia perdido, pois adquiri maturidade para lidar com a questão material, livre de egoísmos, disputas e orgulho. Mas, muito mais do que isso, hoje tenho mais consciência da Verdade, daquilo que nos move, de quem somos essencialmente. Tenho algumas pessoas no trabalho ainda muito difíceis de se lidar, mas hoje tomo uma postura diferente: a de compreender, de ter compaixão, de aceitar ser um instrumento do Mestre Jesus e ser aquela quem quebra a corrente negativa ao invés de entrar na onda de discussões e acusações. Ao invés de acusar o Universo de injusto, agradeço ao Mestre pela oportunidade de poder ser aquela que já O conhece suficiente para dar o primeiro passo para o perdão. Agradeço, de coração, as oportunidades de trabalhar meus pontos fracos através de irmãos de jornada que tanto tem a me ensinar.

É tudo uma questão de re-significar os fatos, de ter um olhar mais Macro. Se olharmos para as provas da vida como oportunidades e se formos humildes suficiente para assumir nossas fraquezas e trabalhar para melhorá-las, o plano espiritual nos dá a mão e nos auxilia em tudo. A única atitude que tive de tomar para mudar uma realidade caótica, egoísta e materialista em que me encontrava, foi a atitude interior de me submeter a entender os propósitos do Pai. Nunca me faltou nenhum bem material e nunca mais me faltou a paz interior desde que entendi o que é o amor de Deus por nós. As relações difíceis? Hoje já sei que são as mais necessárias para mim, que a vida me coloca não como punição, mas como oportunidade de justamente transpassar um obstáculo e dar mais um passo em direção à perfeição.

Aprendi que basta olhar o semelhante com olhos um pouco mais caridosos a cada dia, que o Mestre já nos abençoa em nossos caminhos pessoais e profissionais. Descobri que tenho dentro de mim tudo que preciso para passar por qualquer situação, a confiança plena nos propósitos de Deus, bem como o compromisso com a luz de ser a cada dia uma pessoa melhor.

Descobri que a sensação de plenitude não vem de um bônus abastado, isso se vai assim como veio. A plenitude e paz interior encontro a cada pequeno passo que dou em direção à evolução espiritual, quando percebo que absorvi e aprendi a lição que me foi passada, é isso que enche minha alma de alegria

Estejamos sempre atentos aos destinos traçados por Jesus para nossas vidas. Enquanto estamos distraídos com os bens materiais, temos apenas o caos como retorno. Hoje posso dizer que tenho uma certeza inabalável: a de que todos os caminhos levam ao Pai, e que sem Ele não há salvação. O ser humano ainda vai entender que basta uma reforma íntima para que se prospere com sabedoria em todas as áreas da vida.

Em suma , quando coloquei toda a importância e esforço na matéria, minha vida se tornou um caos. A meu pedido de ajuda o plano espiritual me respondeu com um filho, que me levou a uma reflexão profunda de valores. E então eu tirei , como consequência, toda a minha atenção dos bens materiais e passei a dar importância ao convívio harmonioso com nossos irmãos. E a partir daí, a vida que era caótica entrou em harmonia, como se fosse guiada por um plano superior que tem cuidado de arranjar toda a fluidez do dia a dia e as oportunidades de que preciso para aprender e evoluir.