Sobre sonhos ou sobre nada

TEXTO DE ALGUÉM EM CRISE POR NÃO SABER O QUE FAZER DAQUILO QUE SONHA.

Num sonho, eu caminhava pela rua vazia em direção à minha casa, grandes árvores ladeavam o asfalto novo, coisa que não existe de fato aqui. Mas as casas eram as mesmas, meus vizinhos todos existindo na ordem correta. Era um dia silencioso e azul, nas calçadas, muitas folhas caídas. Ao andar, o inevitável som macio de pisar em solo fértil, mesmo que o calçamento brutal da cidade estivesse sempre aparente. Ainda por cima, eu, que nunca aprendi uma nota sequer, abraçava com vontade um violão. Bem íntimo do instrumento, eu cantava acompanhando os acordes de uma música muito alegre, que falava de como o nosso coração nos conhece melhor do que nós mesmos.

Tocando a música, eu me toquei de que havia algo dentro de mim me dizendo pra que eu confiasse mais nesse algo dentro de mim. Engraçado os avisos que você precisa se dar, porque ninguém consegue ser são lembrando-se ao mesmo tempo de tudo o que sente. Então sonhar é para os desatentos. Mas quem nunca se distrai, não é capaz de apreciar com calma a beleza de suas próprias sensações. E confiar não é bem isso? Acreditar sem precisar ver. Ou antes de ter visto, já saber. Claro que é difícil, mas também é duro tocar bem um instrumento que nunca se aprendeu, e ás vezes eu consigo, ainda que só na minha cabeça…

Tudo é uma questão de imaginação. E vontade. Tudo o que, meu Deus? Eu aqui falando de coisas abstratas, como se alguém precisasse disso. Outro dia me peguei pensando que, apesar de os fatos se darem por consequência de ideias, não é das ideias que vivemos, mas dos fatos. É quase ridículo de óbvio, mas uma ideia genial que não pode ser executada não é tão boa assim. Como eu sonhar que toco violão e isso ser lindo. Mas de que adianta, se eu não tenho a menor vontade de aprender de verdade? Nos sonhos tudo dá certo, até quando são pesadelos, porque então acordamos e estamos salvos. Mas na real, é preciso se por à prova. Mais forte do que sonhar com uma beleza é acordar para embelezar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.