Cada coisa em seu lugar

Pode parecer rabugice ou conservadorismo demasiado, mas tem coisas que você faz em certos lugares e não em outros. Por exemplo, você vai numa loja de roupas e compra roupas, vai num bar para beber, vai na escola para estudar. Isso e obvio no ambiente real, mas e no virtual?

Sinceramente não gosto do FB, sou mais do tuiter, porem nos últimos quatro anos usei preferencialmente o FB como rede social. Amigos reais, conhecidos, amigos virtuais todos centralizados na mesma rede. Com a falta de tempo de possuir múltiplas redes, e com equipamentos moveis obsoletos, acabei por ficar por la.

Apesar de existir grupos interessantes, gente legal, discussões importantes, a rede e um péssimo ambiente para controlar conteúdo de discussões. Achar uma discussão antiga é quase impossível. As coisas se perdem! Hoje acho que discussões real time são melhores geridas pelo Telegram (que é multiplataforma), acesso a noticias pelo tuiter, os textões por aqui, e claro, os amigos e nossas conversar frívolas o FB.

No último mês houve uma resolução que proibia a cobrança de valores diferentes na balada (lembre aqui, se quiser), antes da decisão entrei numa discussão sobre a diferença de preço “na balada” com um usuário do tuiter, que lembro que existiu em 2011, durante as conversas sobre as primeiras marchas das vadias no Brasil. A pessoa (sim, um homem) me inqueria no tom “mais as feministas não reclamam de pagar menos na balada”, e lembrei que houve muito caractere usado para isso, que um link do FB resolveria. Nunca mais achei a dita discussão…

Entender o que cada rede social tem a oferecer e usar para o fim que melhor encaixa é uma atividade que temos que fazer hoje. Não podemos ficar perdendo informações e tempo vendo vidas que não nos agrega. Claro que cada um usa o espaço virtual como melhor lhe aprouver, mas não vou mais procurar por horas um texto de alguém numa rede que parece ter prazer em apagar o passado.

Já que “não dá” para abandonar o FB, vamos usá-lo para o que realmente serve: compartilhar gatinhos e sua vida com pessoas que você prefere não encontrar no mundo real.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Andréa Silva’s story.