American Dream #9 — Se soubesses o que sabes hoje, mudavas algo?

Quando andas pela cozinha às duas da tarde, vestida de pijama a comer chocapic com vodka isso é…

Dou-te uns segundos para completares a frase.. 3..2..1…

É ser estudante universitário, viver sozinho aos 18 anos, longe de casa e não ter muitas preocupações.

Elas não comem chocapic com vodka todos os dias, mas comem Lucky Charms com leite às duas tarde como se a vida fosse uma ressaca contínua, sim esta segunda opção é quase diária.

Depois, olham para o meu prato e dizem: — A tua comida é tão saudável…

Eu faço as contas de cabeça, não muitas para também não ficar deprimida e penso, bem isso é porque eu tenho, pelo menos mais 18 aninhos e sempre ouvir dizer que a gravidade pesa, nunca acreditei a não ser quando ela começa ligeiramente a pesar.

Mas ainda não respondi à pergunta. Será que fazia tudo diferente? Se disse imediatamente que não podem pensar que ainda não aprendi nada, e se disser que sim também me podem dizer que não seria quem sou hoje.

É sempre o sacana do equilíbrio que nos lixa a equação.

Sim, se soubesse o que sei hoje não acredito que teria mudado muita coisa pois tenho a certeza que são as nossas decisões, melhores ou piores, que nos tornam na pessoa que somos. Mas saberia que há uma série de regras, que devem ser incontornáveis.

- Exercício: costumo brincar com as minhas amigas. O melhor exercício é verde — código — verde no shopping. Nunca fui adepta de desportos de grupo, não gosto de ginásio. Mas hoje sei a importância de manter o corpo activo. Pela saúde física mais do que pelo corpinho de praia. Portanto a seguir à vodka com chocapics, custe o que custar é obrigatório ir correr pelo menos uns 4 km.

- Meditação: esta já chegou tarde, para mim meditar eram os loucos na sala de Yoga. Tem sido um processo longo, e comecei a meditar por uma só razão. Andava desesperada com enchaquecas — daquelas debilitantes que nos põem na cama. Portanto decidi tentar tudo e meditar foi uma dessas saídas. Quando descobri que resulta adoptei a prática como se fosse a minha melhor amiga.

- Álcool: Faço já o disclaimer. Adoro beber copos. Um bom vinho, um bom gin, um bom queijo e presunto. Mas no loucura dos teenage years toda a gente bebeu mais do que a conta, eu pelo menos bebi. Tinha mais cuidado pois essas gotas de álcool transformação em pequenos pacotes de celulite que teimam em ficar agarrados ao nosso corpo.

- Presente: “Hic et nuc” é um daqueles alicerces da espiritualidade viver o momento e saber que vai tudo correr bem. Geralmente queremos crescer muito rápido quando somos jovens para viver a nossa vida, mas, essa mesma vida passa muito rápido. Por isso é fundamental viver no presente, sempre pois é o único garantido.

- Viajar: Viajei muito mas teria viajado ainda mais. Fazer um interrail, dormir em tendas de camping, dormir em sofás e fazer horas sem fins no aeroporto é muito mais divertido quando temos todos o tempo do mundo.

- Sonhos: Nunca deixaria de acreditar nos meus sonhos. Eu sei que há um deteminado ponto que não acreditamos que somos capazes, mas a verdade é que somos sempre, é só uma questão de tempo.

- Desenvolvimento pessoal: Tinha investido mais em coaching, mentores e tentaria encontrar a minha tribo mais cedo. Às vezes acabamos por perder tempo com coisas que não têm importância e regras que não são nossas.

Quais eram as coisas que tu terias feito de forma diferente?


Originally published at Jaqueline Silva.