Insônia

Diga-me onde fica
O botão que desliga meu pensamento
Me trazendo a paz do silêncio por um momento
Acalmando meu cérebro, deixando-me dormir

Traga-me um mapa 
Para chegar a um lugar em que minha alma descanse
Que para fora dessa chuva de ideias eu avance
E atinja o ápice do meu sossego

Venha-me e puxe a tomada
Do que me alimenta na madrugada
E me tire dessa sacada 
Onde somente as estrelas estão a me acompanhar

Fale-me sobre suas teorias, sobre arte, sociedade e morte
Sobre os tons de vermelho das nuvens sob a luz do outono
Sobre como estamos abandonados a própria sorte
Traga-me o que me falta, traga-me sono…

Quando der a hora de dormir, eu estarei mais ligado que o Dali nessa foto
Like what you read? Give Fabrício Martins a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.