Sobre copos e a vida

Necessariamente nessa ordem

E como a gente faz com essas coisas pequenas que ocorrem e ninguém ta lá pra ver? Hoje, por exemplo, deixei um copo cair e ninguém estava lá para me ver pegando ele no ar, antes de atingir o chão, e se partir em mais pedaços que seu coração depois daquele ultimo “Visualizado às 22:00”, mas sem resposta.
Sem resposta eu também ficaria se alguém visse o bendito copo sendo pego no ar, quem sabe eu nem o pegaria, pois é aquela velha coisa; eu não consigo fazer várias coisas quando alguém presta muita atenção em mim, quando a pessoa fica lá observando e esperando que todas as expectativas que eu prometi, mais as expectativas a mais que ela joga em cima, sejam satisfeitas; é nessas horas que eu costumo mais falhar, eu sempre tento melhorar no meu dia a dia porque geralmente escorrego bastante nas minhas certezas, e caio naquele mundo de dúvidas, e quando entro nisso parece que é só uma bola de neve, levando todas as outras duvidas que estavam escondidas la no fundo.
Mas e se o copo quebrar? Como a cara da gente quebra nas variadas sequências de escolhas erradas que vão moldando o que somos. Se quebrar, a gente junta os pedaços e arruma outro, e isso serve pra copos, pratos, objetivos de vida, trabalho e relacionamentos que não deram certo. Então relaxe, não é imutável; nada não é tão ruim que não se possa voltar atrás ou seguir em frente. Só tente não pisar no cacos do chão, que ai fica 2x mais difícil de andar…


Então, eu estava escrevendo sobre um copo que eu peguei no ar e acabei com uma autoajuda, alguém me interna…

Não seja o tipo de pessoa que tem a opiniâo mais descartável que esse copo.
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Fabrício Martins’s story.