Por que as pessoas, na internet, se incomodam tanto que meu filho use vestidos?
Carol Patrocinio
47044

Oi Carol. Parabéns pela sua força em permitir ao seu filho ser quem ele é. Eu não conseguiria fazer tudo isso, talvez nem pensasse, simplesmente explicaria para o meu filho que meninos não usam vestidos… Que bom que ele tem uma mãe como você.
Confesso que a ideia me causa bastante estranhamento e fico pensando na segurança emocional do menino no meio desse bombardeio de preconceito e valores congelados. Mas sempre digo que o mais importante é ter amor. Pois errar todos erraremos. Afinal somos humanos e estamos todos no mesmo barco tentando acertar.
Alguém falou que você está fazendo experimentos com o seu filho, oualgo parecido… Mas, e quem não está?
Seu texto me fez lembrar que quando eu era criança eu rezava secretamente para virar menino quando fizesse sete anos (sei lá porque essa idade, mas lembro que era isso que eu pedia pro papai do céu, na crença que eu tinha naquela época). Eu fazia xixi em pé e gostava mais das brincadeiras de meninos. Sempre. Não lembro de ter comentado isso com alguém na época, e se cheguei a comentar, não lembro de ter sido repreendida por ter esses pensamentos.
Por outro lado, lembro que desde a mais tenra idade eu sentia atração por meninos (primo, vizinho, coleguinhas da escola…). Nunca tive desejo por meninas ou por mulheres. Sou totalmente segura com a minha sexualidade e tenho certeza que não sou mulher por obrigação apesar de ter um dia desejado ser menino. Creio que esse meu desejo nunca teve nada a ver com sexualidade.
Hoje me sinto bem resolvida e nunca mais tive desejos de ser menino, ou homem. Penso que crianças têm essas fantasias (acho que não é bem isso — “fantasias”, mas não sei bem que palavra usar aqui para expor essa curiosidade, ou desejo da criança por viver algo específico que muitas vezes foge ao padrão pré-estabelecido socialmente) por diversos motivos, e que vivenciar isso ajude a se descobrirem e se colocarem no mundo. Penso que permitir à criança experienciar a si própria é permitir a ela o auto-conhecimento.
Boa sorte na sua luta. Cada dia é um dia. Quem sabe essas gotinhas de amor no oceano vão se juntando e conseguimos fazer um mundo mais leve.
Parabéns!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.