Das cartas que eu não mando

“Conto por contar e deixo em algum canto.”

Nunca imaginei que este presente seria para me redimir. Queria somente retribuir os sentimentos bons que sinto toda vez que insiste em me agradar… Uma forma de retribuir todo carinho, cuidado e atenção. A reciprocidade que temos. Nunca pensei, mas foi… Está sendo.

Quero me redimir, ainda que tarde, de todas as vezes em que o autocontrole não me pertenceu. Em que não consegui controlar meus sentimentos e deixei que nos envolvêssemos além do programado. Por minhas ansiedades e excessos. Por todas as vezes que fui inconsequente. Pela minha Covardia. Pelas minhas inseguranças. Onde o medo de te perder me cegaram, me levaram a ter atos desprezíveis; a desconfiar, ferir, magoar. Quero me desculpar por todas as atitudes que poderiam nos prejudicar… E prejudicou.

Erros. Errando se aprende, mas não me canso de errar quando o assunto é sentir. Me envolver. Externar. Amar. Sim, que seja considerado amor todas as formas de cativar e zelar por algo ou alguém.

A verdade é que não sei bem quando aconteceu, porém, sei exatamente o quanto não estava curada, digo, preparada para me envolver com outrem. Assim como você tenho traumas, uma coleção de dores e um relacionamento era minha última perspectiva para o momento…

Quantas vezes repeti: “Logo você?!” Incontáveis. Mas algumas coisas não cabem à nós. Deus tinha um propósito ao preparar este encontro, nesta fase da vida, neste exato momento. Se será o bastante para vivermos ou construirmos algo, não sei. Mas há de existir uma razão nisso tudo.

Sei somente que todos os prazeres e felicidades que se revelam descontroláveis me encantam. E acho que isso define todo o meu encanto e descontrole quando o assunto é você.

Enfim, que todos os motivos que temos para nos afastar não sobressaíam aos mil motivos que nos fizeram permanecer. Que nossos erros e tropeços não anulem os bons atos e toda a admiração que temos. Que sejamos sinônimo de sorrisos e bons fluídos na vida um do outro.

Gosto do jeito que me olha nos olhos sem saber mentir e de quando tenta mentir só pra me proteger. Do seu jeito tímido, do charme despretensioso. De quando me deixa saber o quanto fiz bem a você, que os 6 meses vividos em minha companhia foram especiais.

Meu pecado e meu perdão. Gosto dos teus pecados admiráveis, porque para cada pecado há uma redenção.

É imensamente gratificante ter você comigo. Independente das vezes que nos chateamos, que nos decepcionamos. Tudo isso se torna irrelevante diante do valor que temos um pro outro. Só queria te dizer o quanto é importante na minha vida. O quanto prezo por você. Por sua felicidade.

Dizer também que “eu prometo falhar”, muitas vezes. Mas prometo nunca te deixar só. Desamparado. Sem alguém que possa contar. Reproduzo em resumo tudo que essa foto sempre significou, sempre traduziu em todas as vezes que olhei pra ela. O carinho. O cuidado. O zelo. O amor.

Um cheiro de encanto, um beijo de amor, um abraço de carinho. E um lembrete de que isto tudo só fará sentido se for recíproco. Se eu despertar em ti os mesmos sentimentos que desperta em mim.

Like what you read? Give Sincero Devaneio a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.