Ela não é escrava do salto alto

Ela usa sapatilhas com a mesma elegância de uma sandália alta. Tem dias em que ela resolve sair e aí a noite sorri para ela. Sem pudores, ela dança sem pensar no amanhã, não rejeita nenhum corpo que peça uma dança… Sorri para todos e lhes tira o ar com aquele olhar que seduz. Ela sabe exatamente o efeito que causa e as melhores conversas de bar têm um quê de sua voz estridente quando ela quer defender seu ponto de vista. Seu tom acompanha seu estado de espírito, motivação e indignação com a vida.

Ela já procurou por amores, já mendigou paixões, mas hoje ela sai sem esperar por nada, gosta mais de se surpreender. A inveja dos casais que passavam felizes na sua frente foi substituída por uma genuína admiração. O amor chega, mas hoje não. Hoje ela quer andar e se equilibrar no meio fio.

Medo ela tem de ficar estagnada, não tentar nada novo e morrer sem ter vivido.

Se chamar para sair, ela vai. Mas tem dia que ela prefere ser solidão, prefere a companhia dos personagens dos livros e filmes, prefere o silêncio ou o barulho de alguma música que a traduz.

Gosta de vinho, detesta cerveja. Mas se não tem mais nada, por que não?

Por que não?

Essa pergunta que lhe move, afinal, se não encontra nenhuma razão, por que não? Ela vai, ela sai, ela beija estranhos de papo bom… Por que não?

Ela entrega todo amor em um único beijo. Ela pode ser sua, por que não? Ela pode, sim. Por um dia, uma semana, um ano inteiro, a vida toda do seu lado… Por que não?

Olha essa menina andando no meio da chuva, com o guarda-chuva escondido na bolsa, passando em plena luz do dia pela calçada onde os outros se espremem em um abrigo. E ela sente a chuva, sorri de um escorregão, anda tranquilamente até chegar em casa, mesmo sabendo que vai se atrasar para o serviço, que as folhas da apostila de faculdade vão ter que ficar penduradas até secar. E se for a última chuva, por que não?

Olhe para ela, mas olhe discretamente. Porque se ela perceber, não vai conseguir andar naturalmente, você vai perceber o seu rosto corar.

Olha ela de novo, naquele churrasco com seus amigos, você nunca pensou encontra-la ali, em meio a tanta gente vazia. Ela sorriu para ti, ou foi para o amigo do lado? Ela sorriu para todos e nem pareceu perceber a diferença entre ela e as outras meninas, conversou com todas e logo pareciam amigas de infância.

Olha ela na fila do check in, está com passagens nas mãos e o sorriso de quem sonha. Você já está torcendo para ela sentar do seu lado no voo.

Você já percebeu que ela anda solta? Carrega a leveza de quem gosta de brincar com a vida ao invés de ficar emburrada. Ela carrega um papel para rabiscar, pega a revista de voo e gasta mais de uma hora para lê-la.

Ela entra em uma loja de chocolates e gasta mais tempo do que gastaria em uma loja de roupas. Sentada em uma mesa com o seu Fondue, saboreia o doce com a alegria de uma criança. Parece pensar na vida. Aposto que carrega um livro na bolsa e uns dois na mala.

Observando ela andando por aí, sozinha, fico pensando se ela não tem medo de se perder, dos perigos da noite e de andar sozinha em uma cidade desconhecida, mas ela tem o semblante de quem não está preocupada com isso. Parece mesmo é ter medo de perder o próximo prato predileto, o próximo beijo inesquecível, o próximo chá da tarde na companhia de uma senhora e de boas histórias…


Originally published at revistainterage.com on August 18, 2015. 164 people liked this post.

About Thamires de Almeida

Uma menina que sonha. Que escreve antes de dormir, mas acorda para correr atrás do que quer. Que não tem medo dos “nãos” da vida e assim, conquistou os primeiros “sins”. Cansou de tentar planejar o futuro, porque o acaso sempre vem lhe mostrar que tudo pode ser bem melhor do que ela imagina. Se tornou repórter por acaso, e escritora por paixão. Com uma fé inabalável, gosta de brincar com as palavras desde pequena. Email: thamires.aa@gmail.com