Lua em Câncer

Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Laura Costa deu por si na cama transformado num crustáceo. Estava deitada sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, viu que era uma casca levemente alaranjada, pernas finas e duas enormes patas com garras.

"O que me aconteceu?" — pensou ela. Não era um sonho mas a bruta realidade de que a partir daquele momento, seu corpo não era mais humano, havia se tornado num pequeno siri.

Porém, Laura está nessa vida para viver, seja como humana ou siri, então continuou com sua rotina. Andar de bicicleta estava fora de cogitação e sentia um medo real de acabar caindo no vão entre o trem e a plataforma do metrô. Passou a gritar "vai descer, motô!" para que os motoristas de ônibus fossem pacientes com sua dura missão de descer os enormes degraus do veículo e depois praticamente se jogar para a calçada. Era complicado, não tem como discutir, mas a jovem crustácea conseguia sempre manter um sorriso no meio dos seus olhos saltados que pareciam antenas.

Sábado era dia de ir à praia com os amigos e Laura se animou com a ideia, afinal, o que não melhor que sol, areia e mar para um caranguejo como ela? As amigas riam e pulavam as ondas enquanto ela ia acompanhando com seus passos curtos, sempre andando meio de lado. Sua amiga Ingrid estava com medo de entrar no mar, e foi lá Laura, dando pequenos beliscões com suas garrinhas no tornozelo dela para que entrasse na água. Todas riram com a brincadeira. A praia era de fato ótima. Até que veio uma onda e a carregou. As amigas correram e conseguiram salvá-la, mas que susto! Laura ficou tão tonta com os cachotes que não estava mais gostando tanto assim de estar lá.

De noite, ela iria encontrar com Gustavo, seu amigo e secreto amor. Eles não tinham se visto desde aquela manhã que transformou para sempre a vida de Laura. Se encontraram na praça perto ao cinema. A ideia era ver um filme, mas antes precisavam conversar. Ela ficou esperando em cima de uma mesa de pedra, daquelas muitas que tem um tabuleiro de xadrez pintado, e parecia uma peça do jogo, pelo seu tamanho. Quando Gustavo chegou, ele tentou esconder o choque mas era impossível. Sua Laura, um caranguejo. E as garras… parecem tão duras! Será que machucam? Ela estava paciente e um pouco com medo. Não queria perdê-lo mas entendia a situação, era muito diferente. Seria possível o amor entre um homem e um siri?

Acordei aterrorizada. Procurei meu remédio para dormir e tomei mesmo sabendo que teria que acordar em pouco tempo. Não tive mais sonhos essa noite.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Laura Costa’s story.