Uma breve pesquisa metal

Um belo dia, resolvi fazer algumas perguntas para conhecidos que frequentam os shows de heavy metal em São Paulo sobre seus hábitos e opiniões acerca de algumas coisas.

Foram 20 pessoas (foi algo rápido) divididas entre 11 homens e 9 mulheres de 18 a 40 anos todas da grande São Paulo. Não dá para dizer “nossa que pesquisa”, mas deu para ter uma ideia entre o meu círculo de contatos a.k.a parte das pessoas que vão ver os flyers que eu postar ou reclamar que não estavam sabendo do show depois que eu posto fotos e resenha.

Primeira parte, locais e horários:

16 delas disseram que o local do show influenciaria sua decisão na compra de um ingresso. 03 disseram que não e uma se declarou indiferente. O resultado se repetiu quando perguntadas se a localização do local influencia.

E outra coisa:

16 pessoas já deixaram de ir a um show porque não gostavam da casa onde seria feito. E 11 pessoas disseram que deixariam de prestigiar uma banda da qual são fãs caso o local não lhes agradassem.

Quando eu falo que o pessoal torce o nariz para certos locais já ouvi que é frescura. 11 de 20 pessoas serem capaz de desistir de ver uma banda que é fã por causa do local é uma quantidade a se considerar. Foi um pouquinho mais que a metade.

Não adianta o local ser grande, legal e não ter um metrô e/ou várias opções de transporte público perto. E nem isso é garantia pois:

19 pessoas disseram que já deixaram de ir a um evento por causa do horário de término do mesmo. Só uma não vê isso como problema.

Ou seja, não adianta ter uma estação de metrô/trem a 1,5km do local (o que daria até meia hora andando — depois do show quase sempre tem umas cervejas a mais no corpo né?). Mesmo que seu evento termine as 23h não adianta nada a pessoa chegar na estação as 23h30 se tiver que pegar um ônibus depois ou fazer uma ou mais baldeações. Principalmente de domingo onde o horário entre as composições de trem são bem grandes.

Aliás, não adianta nem ter uma estação na porta da casa de show e montar um cronograma bizarro. Ver o exemplo do Live n’ Louder que ocorreu a menos de 500 metros da estação Barra Funda e montou seu horário para terminar as 00h20. Sério. Pior que atrasou e o último show começou quase 00h00. Fico pensando quantas pessoas desencanaram de ir no evento por isso. Alguns chamam de frescura isso, mas ninguém é obrigado a ter carro e se deslocar com um por ai.

Claro que começar o show mais cedo em um dia de semana, principalmente uma sexta ou véspera de feriado para terminar em um bom horário também não é inteligente pois sabemos como é o trânsito.

Juro que as vezes me pergunto se realmente pensam nisso.

E óbvio que a equação é bem mais complexa e envolve a banda, o local, o horário, os valores, outros eventos na mesma época, etc. mas eu diria que mesmo que alguns não acreditem, local e horário pesam muito.

Agora uma parte que achei curiosa:

07 pessoas demonstraram interesse em bandas de abertura enquanto 08 disseram ser indiferentes e as outras 05 não se interessam. Caso a banda de abertura seja nacional, 02 pessoas disseram que isso diminui a vontade de chegar mais cedo, só que 17 pessoas falaram que chegar mais cedo ou não depende da banda. E se for internacional? 17 pessoas também falaram que depende de quem é a banda.

Dá pra arriscar dizer que não é que o povo não apoia a cena e sim que as bandas talvez sejam ruins mesmo e não agradam? Diria que há uma boa possibilidade, afinal quando um produto não agrada ele não é consumido certo?

Curioso que muita gente demonstra interesse nas bandas de abertura mas muitas bandas por ai ficam reclamando sobre o público. Esse tópico merece uma divagação um dia desses.

Like what you read? Give Yuri Murakami a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.