Você já escutou sobre cultura do estupro, mas você já escutou sobre cultura da pedofilia?

Escrito por: Alicen Grey, mais sobre ela em: www.alicengrey.com

Retirado de: http://www.feministcurrent.com/2015/09/28/youve-heard-of-rape-culture-but-have-you-heard-of-pedophile-culture/

Traduzido por: Carol Correia

“Eu sou um pedóflo, mas não sou um monstro

Eu tenho atração por crianças, mas não atuo em cima deles. Antes de me jugar duramente, você estaria disposto a me escutar?

Todd Nickerson”

Caro Todd Nickerson,

No Salão há alguns dias, você escreveu um artigo provocadoramente intitulado “Eu sou um pedófilo, mas não sou um monstro”. Presumivelmente, muitas pessoas estão agora fazendo perguntas como “a pedofilia é natural?” ou “a pedofilia pode ser curada?” Mas eu não vou tentar responder a essas perguntas específicas. Pelo contrário, eu gostaria de promover este discurso preenchendo alguns buracos importantes em seu artigo.

Vamos começar com esta peça em falta: a grande maioria dos pedófilos são homens. E a maioria das crianças vitimadas por esses pedófilos que optam por agir em seus desejos sexuais são meninas. Este é um detalhe bastante importante para reter do seu público, você não diria? Infelizmente, tão cruel e notório como o patriarcado é, este geralmente é o último detalhe mencionado em conversas dessa natureza — se é que seja mencionado.

Dito isto, a pedofilia pode parecer tabu e desprezada pelas massas, mas uma avaliação honesta de nossa cultura em geral revela o contrário. Proponho que a pedofilia seja realmente recompensada e celebrada e que toda a nossa cultura e compreensão da sexualidade seja construída em torno do que parecem ser desejos pedófilos. Eu chamo isso de “cultura pedófila”.

Na cultura pedófila, as mulheres devem manter um nível quase impossível de magreza, pré-púberes em sua quase-andrógina falta de curvatura e gordura corporal. Devido a esta pressão, os transtornos alimentares são comuns em meninas jovens e as mulheres em particular são direcionados ao longo de suas vidas por uma indústria de perda de peso de vários bilhões de dólares.

Na cultura pedófila, a categoria mais procurada pelo Pornhub é “adolescente”. “Quase legal”, “meninas” em roupas escolares interpretanto desde “virgens sendo manipuladas”, fantasias incestuosas papai-filha, relações professor-estudante… pode nomear o que for, há pornografia para isso e foi repetido à exaustão a milhões e milhões e milhões de vezes. É necessário perguntar-se se a única coisa que mantém alguns desses telespectadores de assistir pornografia infantil é a idade de consentimento previsto nas leis.

Influenciado pela indústria pornográfica, a labioplastia, uma cirurgia que esculpe os pequenos lábios até os retalhos de tamanho pornográfico, está rapidamente ganhando popularidade. Assim como outros procedimentos, como a himenoplastia, que restaura o aperto “da virgindade” para vaginas das mulheres.

Na cultura pedófila, as mulheres são pressionadas diretamente para depilar regularmente suas regiões inferiores e nas axilas. A indústria de cosméticos — novamente, voltada para mulheres — tenta vender cremes e loções “anti-envelhecimento” que tornarão a nossa pele “bebê suave!”

Na cultura pedófila, casualmente nos referimos a mulheres adultas como “meninas”. Temos uma palavra em inglês especificamente para adolescentes atraentes: jailbait (isca de cadeia, na tradução literal). As mulheres são sexualizadas como pintinhos, gatinhos e bebês.

Na cultura pedófila, muitas vezes eu pego homens em público verificando-me com os olhos cheios de luxúria, até que eles vêem o cabelo em minhas pernas — momento em que, eles recorrem a uma exibição teatral de nojo. Eu espiei em grupos de rapazes de idade universitária falando sobre como eles não vão fazer sexo oral em uma mulher se seus lábios vaginais fossem muito proeminentes. Um homem que estava tentando transar comigo durante três anos, de repente mudou de ideia quando eu revelei que eu não me depilo. Em outras palavras, muitos homens deixam de ser atraídos por mim quando lembram que eu sou uma mulher; e não uma menina.

Certamente todos esses homens, que têm uma “preferência” pelas qualidades acima mencionadas nas mulheres, não são pedófilos pela definição estrita da palavra. Mas parece que um grande número de homens, provavelmente como resultado de profundo condicionamento cultural, encontra muitas das mesmas coisas atraentes em uma mulher que um pedófilo acharia atraente em uma menina. Pequenos lábios, vaginas apertadas, hímens intactos, pele macia, membros e vulvas sem pêlos, eterna juventude, pequenos corpos frágeis… Como o usuário do tumblr reddressalert escreveu, “como não reconhecemos que esta é essencialmente uma descrição de um bebê ou uma criança pequena?”

De volta ao meu ponto original:

Preciso que você e seus leitores compreensivos compreendam esta grave verdade: a pedofilia não é quase tão tabu, nem vergonhosa, nem repulsiva para a sociedade, como você afirma ser. Eu queria que fosse. Muito em detrimento das mulheres em todo o mundo, seus desejos são refletidos para você infinitamente, produzidos em massa em uma escala global para atender a uma demanda cada vez maior. Este mundo em que vige a supremacia masculina recebe-o com os braços abertos e todos os seus desejos são o seu comando. Eu ouso dizer que você é mais seguro para ser você mesmo, do que as meninas são.

Você diz: “Eu sou um pedófilo, mas não sou um monstro” e eu de todo o coração concordo com você. Você não é um monstro — você é um homem. Um homem bastante comum. Uma representação microcósmica das perversões mais prevalentes do patriarcado. Você não é especial, você não é anômalo e você não está sozinho. Nenhum pouco. Sua “orientação sexual” é apenas mais uma manifestação do desejo coletivo dos homens de subjugar mulheres em uma cruzada para defender a supremacia masculina a todo custo.

Portanto, se o ser “compreensivo e solidário” da sua pedofilia envolve a preparação de homens para erotizar características infantis em mulheres e ensinar as mulheres a manter a eterna juventude como para não agravar a insegurança masculina, então você não está pedindo o nosso apoio — você está pedindo por nossa submissão. E assim como você diz “não há nenhuma maneira ética de que possamos atualizar plenamente nossos anseios sexuais”, não há maneira ética de solicitar cooperação daquelas de nós que tentam ativamente desmantelar o sistema patriarcal que sua “orientação” representa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.