Doce Harmonia

Confundindo Sábios — Rashid

Quero viajar pelo mundo 
Por mim mesmo 
E por cada indivíduo 
Não saindo pelo outro ouvido 
Mas caminhando até chegar no coração 
Pulsante
Em tom quase alarmante
Dar-lhe um segundo de calma
Até chegar em sua alma

Perceber em um sorriso
De uma criança do subúrbio carioca
O pesar não mais sufoca
Dentes de leite são feitos de alegria
Amor e fantasia
Poesia doce de esperança
Inconsequente
Utópico, não 
Talvez quase inocente

A espera de encontrar sua alma
Quase se esconde 
Atrás de tantos montes 
Feitos de mármore e granito 
Parece que não sabemos a força de um sorriso 
Tão genuíno 
Transcende a força do menino
E encontra a sua

Contato imediato 
De quem se acostumou de viver no asfalto 
Com quem já está acostumado a escalar morros e montes desde cedo
Te livra do medo 
E da solidão da manhã escura
Escuta!
Você não tá sozinho, não 
Você é meu irmão

Livre-se de suas correias
Corra e me encontre novamente 
Esperamos aflitos e sedentos
Não por dinheiro nem aparelhos desbotados 
Mas por algo que importa de fato
Vivermos em contato

Harmonia
Somos notas em uma enorme sinfonia
Cada qual constrói sua melodia
Mas nenhuma vive sozinha
Semibreve contato com a minha
Em constante consonância
Lembre de sua criança

Recorde que há esperança
Acorde para amar

poesia que termina como um acorde dominante 
incompleta na sua completude
talvez por ainda ter muito a dizer
ainda bem