Ensinando números inteiros com limão!

Números inteiros, também conhecidos como positivos ou negativos, é a primeira virada dramática na vida de uma criança. Sei disso porque a minha irmã um dia chegou calmamente me dizendo: “AGORA COMEÇARAM A ENFIAR NA MATEMÁTICA UM MONTE DE SÍMBOLO ESQUISITO. COMO EU VOU SOMAR UMA COISA NEGATIVA? SOCORRO!”. E isso se repetiu com minhas aluninhas. É engraçado ver essa preocupação toda quando a gente JÁ passou dessa fase e saímos dela vivos (hehe). Mas imagina ver isso pela primeira vez se antes disso eram só as 4 operações básicas? Você pode não lembrar, mas provavelmente teve uma reação bem parecida à da minha irmã. E eu lembro bem de quando eu errava uma conta de 2 páginas inteiras por causa de um sinalzinho lá no meio. Se identificou? Quando minhas alunas me falaram (gritando) que iam aprender números inteiros, já soou em mim o alarme do trauma que eu passei e eu me dediquei a passar o conteúdo pra elas da forma mais leve e divertida possível. Conheça agora a forma mais azeda e incrível de aprender números inteiros da vida.

Você vai precisar de:

1 sacola

Limões

Artigos pesados (tipo um saco de arroz, leite, saco de feijão, ou qualquer outra coisa pesadinha)

Uma escada OU balões/balinhas/coisas que as crianças gostam.

Um papel/quadro branco

COMO FAZER:

  1. Primeiro, faça uma analogia dos números inteiros com uma régua, em que “zero” represente a terra, os outros “positivos” representem o céu e os “negativos” representem o fogo, vulcão, lava ou qualquer outra coisa que fique embaixo da terra. Desenhe bem grande pra ficar o mais visual possível. Capriche nos desenhos!
  2. Comece a brincadeira. Uma criança vai dando pra outra os limões ou artigos pesados e vão colocando na sacola. Quando a pessoa está sem nada, ela está “de boa”, ou seja, está no nível “zero”. À medida que ela recebe os objetos, ela vai indo pro lado negativo, porque fica cansada de tanto peso. Você usa cada limão como unidade de medida.
  3. Você pode usar outros artigos pesados como valores maiores pra ficar mais engraçada a brincadeira.
  4. Cada vez que a pessoa receber mais limões ou objetos pesados, todos os alunos devem apontar no desenho onde ela está naquele momento. Ela está voando com os pássaros ou se queimando na lava? Dormindo com as minhocas da terra ou curtindo um ventinho lá de cima?
  5. Depois, a pessoa vai recebendo ajuda pra se livrar daquele peso, e caminhando pra cima na régua. Os pesos vão sendo retirados até chegar no “zero”. E como fazer com a parte positiva da régua? Aí que entram os balões ou a escada!
  6. Depois que a pessoa já está no zero, ela precisa ser “ajudada” pra caminhar pra parte positiva. Aí você pode usar ou uma escada pra representar a “subida” ou dar balões/balinhas pra representar algo que ela goste. A brincadeira continua: a pessoa continua ganhando balões ou perdendo, e pode voltar a ganhar os limões se chegar na parte negativa.
  7. Inclua os outros alunos na brincadeira! Peça para que eles tomem as próximas decisões, sempre indicando na régua onde eles estão.
  8. No fim, escreva as contas no quadro contando a historinha. Por exemplo: +10–3+2. “Fulaninho estava lááá no +10 com os pássaros, até que o Joãozinho tirou 3 balões dele. Aí veio a Mariazinha e deu 2 balinhas pra ele. Onde a alegria de Fulaninho está?”. Gosto de usar “alegria” como unidade de medida da “subida” ou “descida” porque se relaciona facilmente com positivo e negativo.
  9. Depois dessa analogia, você pode evoluir pra contas “normais”, pois a criança já vai estar com a historinha na cabeça.

É muito importante que esse momento seja descontraído e lúdico, pois quanto mais leve for, maior a fixação na cabeça das crianças.Vá com calma, no tempo deles, e assim números inteiros não vão ser mais o tal do bicho de sete cabeças que eles tanto temem. Divirtam-se!

Like what you read? Give Sophia Leal a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.