Morrinho

O lugar que eu moro não é o mais lindo e também não é de todo horror. Eu gosto de ter muitos vizinhos mas dou graças a Deus que eles não se metem na minha vida. Ter muitas pessoas a minha volta me da uma sensação de conforto sabe? Mas tem dias que eu queria mesmo era o campo. Sozinha. Sem barulho.

O lugar que eu moro tem hora pra tudo. De manhã bem cedinho mesmo, as pessoas passam pra lá e pra cá se cumprimentando e seguindo para seus respectivos trabalhos. As mães segurando firme nas mãos de seus filhos, olhando de um lado para o outro pra ver se não vem nenhum “pseudo apressadinho” de moto. A tarde todos estão dentro de casa, vendo novela repetida ou seriado no netflix. Tem senhora sentada na calçada olhando o movimento, com sua xícara de café na mão. Tem madame passando de nariz em pé com sua bolsa pendurada no antebraço, com aquela alegria no fundo dos olhos de quem não precisa trabalhar até às 17. A noite tem silêncio. Que as vezes é cortado pelo som de moto que passa voando como sempre. Mas o silêncio impera. Reina. E que bom que cada um ta dentro de casa!

No lugar que eu moro tem briga, confusão mas no domingo ta todo mundo junto de novo. As vezes sai tiro, mas até em bairro de bacana a bala come.

Eu gosto daqui. E não pretendo sair.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.