Uma carta para minha vizinha

Querida vizinha do prédio da frente,

hoje recebi seu recado. Meu porteiro, meio envergonhado, me deu o bilhete em que a senhora pedia para a mocinha sem vergonha aqui “colocar roupa” dentro da MINHA casa.

Agradeço a indicação da loja de cortinas, inclusive se a senhora quiser passar lá e comprar uma de presente pra mim, irei ficar bem feliz. Às vezes a claridade da sala me incomoda bastante.

Sinto muito que seu filho casado não tenha mais o que fazer, além de ficar me esperando (segundo seu bilhete) “desfilar de calcinha” pela MINHA sala.

Não, meu marido não acha um absurdo meus modos. Ele adora.

E, principalmente, EU me sinto confortável assim. Passar os dias vestindo o uniforme do trabalho me irrita e a melhor hora do meu dia é quando eu chego em casa e posso colocar um moletom, tirar o sutiã e me jogar no sofá. Livre e relaxada.

Eu poderia pedir pra senhora fechar sua cortina, não olhar pra dentro do meu apartamento e conversar com o seu filho sobre espionar a vizinha da frente, mas acho que seria tão invasivo quanto seu bilhete. Então, eu só posso pedir que a senhora aceite que dentro da minha casa eu ando como EU QUISER. E, antes que eu me esqueça, agradeça que é inverno, porque no verão eu vou andar pelada mesmo.

Um abraço.

Mocinha sem vergonha.