Oie Rony,

Lembro até hoje do dia em que te conheci. Você usava uma calça jeans, uma camiseta preta, uma franja e estava com a minha amiga Bianca. Ficamos e depois de 8 meses intensos começamos a namorar. Preciso escrever essa carta como um fim. Obrigado! Você foi a pessoa que me fez ter coragem de me assumir pro mundo como gay, me fez ver que eu poderia me expressar da forma como eu era, que eu poderia entrar em qualquer lugar sem medo da minha classe social, que existem pessoas incríveis como a sua mãe e acolhedoras. Você me fez um gay forte, sem medo. Obrigado! Pelo nosso término nos 5 anos sem ele eu não teria voltado ao teatro, me reconectado a alguns amigos como o Hiro e não teria criado um pensamento de : “eu preciso ter uma vida independente dessa relação”. Por causa da nossa relação fiquei mais maduro. Não acredito na relação como dois corpos que se fundem e sim que andam separados e decidiram compartilhar vidas. Acredito numa relação onde haja respeito pela individualidade e espaço de cada um. Acredito em uma relação que traga paz. Sim, algumas coisas da relação me afetaram a ponto de me magoar. Mas eu não soube o que fazer com elas o que me tornou uma pessoa pesada. Preciso comigo resolver isso. Da mesma forma que eu tenho mágoas e machucados feitos pela sua pessoa, você também tem isso feito por mim. Me desculpe por não gostar de todos os seus amigos, de verdade eu sou uma pessoa que quando os princípios não batem não há o que me faça ter empatia. Defeito meu.

Espero sim que você encontre alguém, assim como eu também, que te agregue mais do que eu. Que te leve a motéis, que planeje viagens, que ame fotografar você de Lamona, que te apoie, que atenda seu prazer estético e que te dê paz.

Obrigado até aqui. Sim, espero que sejamos amigos. Afinal, é muito triste duas pessoas que se apoiaram tanto quanto nós não sermos amigos. Mas é preciso um tempo de descolamento.

Obrigado. Obrigado.