Projeto paulistano lança campanha contra o desperdício de alimentos

Muita gente pensa que separar os recicláveis é a única maneira de reduzir o volume de resíduos. Mas outra ação cotidiana para ajudar o meio ambiente, economizar grana e reduzir a geração de resíduos é ficar atento ao consumo de frutas, verduras e legumes em casa. Há muitas maneiras simples de evitar desperdícios e aproveitar ao máximo os produtos.

Daniela Alvares Leite. Foto | Chico Castro

A advogada Daniela Alvares Leite, por exemplo, se assustou, quando levou o filho Pedro para conhecer o Ceagesp, em fevereiro do ano passado. Ela não acreditava na quantidade de comida jogada fora na feira. “Enquanto caminhávamos pelos pavilhões nos deparamos com frutas perfeitas jogadas no chão ou nas caçambas de lixo, e sujeira por todos os lados”, lembra.

Diariamente, o Ceagesp joga no lixo 135 toneladas de alimentos. Desse volume, 80% são resíduos orgânicos — sendo metade próprio para consumo. No entanto, dentro do centro de vendas existe o Banco Ceagesp de Alimentos (BCA), que recebe, por mês, a doação de uma média de 160 toneladas de alimentos impróprios para o comércio, mas próprios para o consumo. Esses alimentos são destinados a 130 entidades que atendem um total de 29 mil pessoas carentes.

Ao passar por aqueles caminhões e depósitos, Daniela foi se dando conta da dimensão do desperdício que há nesse processo de comércio. “Quantas pessoas poderiam ser alimentadas com as frutas e legumes deixados no chão? Um país com tamanha desigualdade social não pode conviver com esse desperdício”, ressalta ela, que então resolveu pensar numa saída para minimizar essa situação.

Junto com mais dois amigos, Flávia Vendramin e Sérgio Ignácio, Daniela criou o empreendimento social Comida Invisível. Através de um site e das redes sociais, o trio atua com campanhas de conscientização e ações efetivas para conter o desperdício.

Agora, uma das novas ideias do empreendimento é criar o Food Truck de Comida Invisível, que vai rodar pelas ruas de São Paulo com cardápio composto de receitas que exploram o reaproveitamento integral dos alimentos. Para realizar o projeto, o grupo criou uma campanha de financiamento coletivo no Catarse, que está juntando dinheiro. O lucro da venda dos produtos do Food Truck será usado para promover outras ações de conscientização.

E não para por aí. Com base na Política Nacional de Resíduos Sólidos e na Lei Orgânica da Assistência Social, Daniela, Flávia e Sérgio começaram a articular um projeto de lei para combater o desperdício em São Paulo. A proposta foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça, em primeira votação em todas as comissões reunidas, e agora está em votação popular com 95% de aprovação.

Se aprovada, a lei vai obrigar as empresas que atuam com alimentos, processados ou não, a darem a destinação correta a eles, encaminhando para doação os alimentos que não são considerados próprios para o comércio mas que ainda são próprios para o consumo, em atendimento a prevenção e redução na geração de resíduos.

Esses alimentos vão atender pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social; serão processados e transformados em ração animal; ou viram compostagem e adubos orgânicos. Além disso, a lei determinará que os locais que geram resíduos eduquem a população sobre consumo consciente e disseminem boas práticas para combater o desperdício.