Entrevista com a Paula Filizola, do Love Mojitos.

Quem é a Paula, e porque entrevistei ela:

A Paula é irmã de uma amiga minha de escola, a Marcela, e sempre acompanhei ela e o site dela {Love mojitos} pelo instagram. Ultimamente tenho notado que estamos passando por uma fase muito parecida de vida e as mensagens pelo instagram foram aumentando. Nosso interesse por alimentação, consumo consciente, auto cuidado e padrões de beleza fizeram a gente se encontrar no mundo online e começarmos a trocar bastante.

Confesso que fiquei impressionada com a nossa sintonia: um dia experimentamos o overnight oats, outro dia as panquecas veganas, também falamos sobre os produtos cruelty free, entre outras coisas. A gente foi descobrindo tudo isso ao mesmo tempo, mas eu no Rio e ela em Brasília — e sem saber que a outra estava fazendo ou pensando na mesma coisa! E assim a troca começou. É tão bom esbarrar com pessoas assim, que estão em busca de mudanças de hábitos e estão agindo para melhorar o seu mundo e o mundo a sua volta. Principalmente agora que ela está grávida da Sofia! (Por sinal amo este nome, mas não estou grávida rsrs)!

Perguntei em uma de nossas mensagens se ela toparia uma entrevista. E assim rolou:

Paula, como você começou a ficar mais consciente em relação aos produtos que você consome (comida, coisas que você passa na pele, cabelo, roupas, etc)? Você acha que a gravidez contribuiu para esta consciência? Como?

Essa pequena mudança (ainda considero pequena para o nível de consciência que busco) começou esse ano. Acho que por volta de julho. Comecei a assistir uns documentários sobre consumo, alimentação, industria, etc e isso foi me tocando. Sempre fui uma pessoa preocupada, antenada, lia bastante sobre isso, mas de certa forma ainda era muito superficial. Sempre fui muito ativa, fazia mil exercícios, cuidava do corpo de todas as formas possíveis, mas não refletia sobre isso.

Aí já respondendo a sua segunda pergunta, veio a Sofia. Fiquei sabendo da gravidez em maio desse ano e aos poucos aquele pequeno ser começou a mexer comigo. Comecei a pensar em como queria cria-la, quais valores quero passar, como quero cuidar da alimentação dela. Comecei a repensar toda minha trajetória de criação e vida, do meu marido, etc.

Acho que a Sofia despertou em mim o click que faltava para eu começar a ver as coisas de outra forma. Mais consciente mesmo. Principalmente porque penso na responsabilidade de moldar uma pessoa do zero. Eu tenho a chance de acertar com ela desde o principio com varias coisas e vícios que hoje me acompanham e me incomodam, mas são tão difíceis de mudar depois de enraizados. Ela é uma folha em branco que pode ser a melhor pessoa do mundo dependendo dos ensinamentos que eu passar. Ou seja, o meu exemplo moldará o dela, sabe? Penso muito nisso.

Sobre as roupas, ainda é muito leve meu esforço e comprometimento, confesso! Eu penso muito hoje em dia antes de comprar uma peça nova e faço muitas doações, mas sei que ainda não sou tão consciente como poderia. Mas já mudei bastante. Eu comecei um curso de costura para aprender a fazer minhas próprias roupas e compreender melhor o processo e os valores. No entanto, não curti o curso e parei. Vou montar um mini estúdio lá em casa e tentar ser autodidata por enquanto. Quando Sofia nascer, volto a procurar outro curso.

Sobre produtos de pele e beleza, basicamente busco empresas cruelty free. Pesquiso. Não gosto de usar coisas de empresas que testam em animais, etc. é um começo. Leio sobre isso e me preocupo bastante. Leio sempre no site do PEA ou Peta. Muitos produtos hoje já vem com selo de cruelty free. Uma simples busca na internet te ajuda a comprar mais consciente. Parei de usar grandes marcas por conta disso. Sei que a body shop, assim como a Lush, foram pioneiras na produção “limpa”, digamos assim. Mas há muitas marcas que já vem se empenhando e mudando seus processos. Basta procurar.

Acho que a transformação de consciência é muito profunda e portanto deve ser gradual, mas já começou em mim. A partir de agora, só buscarei alcançar novas melhorias. Acho que o processo nunca termina. A evolução é eterna.

Você se preocupa com a origem dos produtos que você compra? (Onde foi feito, por quem, se é orgânico)

Passei a me preocupar e luto por isso diariamente, buscando saber sempre de onde vem minha comida. Mas ainda não tenho independência estrutural, por assim dizer, para fazer a minha comida. Moro numa casa hoje com outras 8 pessoas da família do meu marido, além do meu marido. Nos primeiros 2 meses da Sofia, moraremos nessa casa com todos, que só tem uma cozinha e uma pessoa que faz a comida de todos. Depois iremos para uma casinha nossa. Aí poderei comprar os meus ingredientes, etc. Talvez procurar um produtor ou feira local, que sei que tem próximo de onde moro.

Hoje faço meu melhor dentro desse cenário para comer legumes e frutas orgânicas, para conscientizar as pessoas a minha volta, etc. Mas ainda não pode ser 100% como eu quero que seja.

Sou uma pessoa extremamente preocupada com isso. Alguns produtos industrializados já me incomodam bastante, coisa que há tempos atras nem ligava. Tem coisas hoje eu não como mesmo!!! Mas já fui bem trash. hahaha.

Como eu disse, a transformação é profunda porque ela mexe com todos os eixos tradicionais de antes, ne? isso muitas vezes incomoda os outros também, além de modificar a nossa própria rotina.

Quando a Sofia começar a comer alimentos sólidos, a partir de 6 meses iniciarei esse processo com ela, será somente orgânicos. Isso é lei pra mim!

Como são seus hábitos diários? Como eles influenciam o seu dia a dia?

Sobre meus hábitos diários, eu gosto de meditar todos os dias pela manhã. Como ainda estou me adaptando, faço uso de dois aplicativos que me auxiliam, como o Pacifica e Insight Timer. Leio sempre uma passagem do livrinho Minutos de sabedoria, que vende em qualquer livraria, e do Recados do bem. Gosto de livros de passagens positivas, que falem de anjos. Sou uma mistureba de energias. Hahaha

Eu tenho uma regra que é essa: sempre que estou em casa, busco fazer minha comida e comer o mais saudável possível, ainda mais agora na gravidez que sinto muita fome ne? Então, como muita salada, legumes, frutas, grãos, etc. Não tenho comido carne vermelha e nem frango. Evito leite animal, derivados e ovos. Na rua, às vezes abro exceções, mas por enquanto não sinto muita falta. Peixe ainda como, apesar de querer um dia chegar no estagio de cortar completamente (talvez). Já reduzi drasticamente. Acho que a rotina é mais ou menos essa.

Tenho experimentado fazer muitas receitas, porque curto o processo de conhecer todas as etapas da minha alimentação e saber o que tá entrando no meu corpo. De forma geral, hábitos saudáveis sempre me acompanharam porque eu sempre me exercitei muito, então sempre fui consciente da minha alimentação. Mas hoje em dia, estou muito mais ligada no processo das coisas e isso me motiva a ser melhor.

Como é que ser uma consumidora mais consciente tem mudado a sua vida? E o seu trabalho?

Como eu disse, acho que essa mudança de consciência afeta a minha rotina, hábitos e dos que me cercam. Isso nem sempre é fácil. Porque além de estar passando por mudanças pessoais, muitas vezes ainda preciso lidar com as reações alheias. Isso também faz parte da transformação.

Acho que se tornar mais consciente, faz com que você se informe bemmmm mais das coisas a sua volta. Tudo vira um questionamento, sabe? Por ser jornalista já tenho a personalidade curiosa e investigaitva. Isso só fica mais aguçado agora para coisas que antes não mexiam comigo.

O meu trabalho atualmente é na empresa de brownies do meu marido. Faço a parte de gestão de pessoas e comunicação, às vezes auxilio na logística. A minha mudança de postura ainda não trouxe reflexos na empresa, mas já estamos estudando novas receitas para quem saber lançar algo sem leite e ovos. Vamos ver!

Quais são os valores que você carrega contigo na hora de comprar alguma coisa?

Nem sempre consigo seguir essa linha em tudo que compro, mas sempre que possível procuro saber tudo sobre o produto. Se for comida busco coisas orgânicas e sempre leio os ingredientes. Quanto menos na lista, melhor a qualidade. Priorizar o produtor local também é bacana, né? A gente aqui em casa compra cogumelos de um produtor local.

Alguns produtos, como mel, compro de uma empresa pequena de SP que conheço e confio.

Outra coisa que gosto de ver é o tamanho da empresa. Empresas de maquiagem e cosméticos mesmo, parei de comprar em varias. Busco informações no site do Peta para ver se tem crueldade com animais. Ainda é pouco, mas tenho tentado.

Você sente algum tipo de “olhar torto” vindo das pessoas em relação as suas suas escolhas? Se sim, como você lida com isso?

Sim… bastante! Como disse, moro com muitas pessoas e essas mudanças aqui em casa preocuparam várias pessoas que achavam que eu estava fraca por não comer mais tanta “proteína”. Aquela velha frase de sempre. As pessoas não buscam se informar e repetem conceitos ultrapassados. Isso me incomoda. Eu argumento às vezes, mas tem vezes que acho que não vale a pena “comprar a briga”. O meu maior alibi, porem, é que todos meus exames de sangue estão perfeitos na gravidez, tenho acompanhamento nutricional. então as pessoas acabam não tendo muito o que falar.

Acho que bons comportamentos e boas energias acabam por influenciar os outros de forma orgânica. Tipo, eles veem você mudando e se inspiram.Da mesma forma que algumas pessoas não entendem, outras são tão receptivas. Eu recebo muito carinho no instagram de pessoas que me seguem ou leem o lovemojitos.com e se inspiram. Uma troca muito gostosa!

Eu e minha irma conversamos bastante sobre alimentação e vejo que ela aprende muito comigo e eu com ela. trocamos receitas, incentivamos minha mae, etc. Eu tento incentivar meu marido também e vejo que ele se orgulha do meu esforço para mudar algumas coisas.

Eu e ele pensamos muito parecidos com relação a alimentação e criacao da Sofia. E quanto a isso, caguei pros olhos tortos. Irei fazer do jeito que acredito ser melhor e quero que as pessoas respeitem.

Você acredita que suas escolhas de vida podem fazer a diferença no mundo em que vivemos?

Certamente! Ainda estou no início de uma longa jornada, mas pretendo começar mudando o mundo criando uma filha de forma diferente. Acho que isso já é uma contribuição e tanto, ne?

Paula e Sofia
O overnight oats dela

Vamos lá, embarcar na nossa e começar a mudar o mundo?!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.