Um texto para minha véspera dos 30 anos

Hoje é meu ultimo dia na década dos vinte e o Terra tem mais em comum comigo do que eu pensava.

Olho para a tela do computador e me pergunto por onde começar essa análise das primeiras três décadas da minha vida pois tudo o que ando me perguntando, e também as pessoas a minha volta, é: como é estar à beira de completar 30 anos? É magnifico.

Vou falar de dois aspectos importantes que pude concluir até agora.

Primeiro, quero falar sobre o tempo e o que sinto em relação à sua passagem. Em um momento de um episódio da série Cosmos do Netflix o apresentador diz que o tempo da vida humana é tão ridiculamente breve comparado ao tempo cientificamente calculado da existência do universo que nós não somos capazes de entender como a terra é mutável pois já passou por várias eras e passará por outras ainda. Disse também que nós tendemos a achar que o vemos hoje é fixo e eterno porque a brevidade da nossa passagem não nos permite ver essas mudanças.

Para ter uma ideia, os cientistas fizeram o Calendário Cósmico para computar toda a história do universo, desde a sua criação (digo criação pois sou criacionista) até o dia em que você está lendo este texto. Pense que o Big Bang ocorreu no primeiro de janeiro cósmico, exatamente à meia-noite e o tempo presente é às 23 h 59 min 59 s do dia 31 de Dezembro. Neste calendário, o sistema solar não é exibido até 09 de setembro, a vida na Terra vem a 30 desse mês, os dinossauros apareceram pela primeira vez em 25 de dezembro e as primeiras primatas em 30. Os mais primitivos Homo sapiens não chegaram até dez minutos antes da meia-noite do último dia do ano, e toda a história humana ocupa apenas os últimos 21 segundos. O que significa a minha vida de 30 anos, então?

Há um versículo na bíblia que diz que a vida é um sopro e a sensação é essa porque o passado parece um vendaval em campo aberto e as flores que você colhe são as recordações que consegue possuir. Quando, na verdade, tudo o que você já viveu são imensos blocos de recordações postos um sobre o outro no mesmo método em que se constrói uma casa. Uma casa é o que eu estou construindo. Essa foi a primeira boa constatação.

A segunda foi de que a corrida para chegar ao sucesso até os trinta anos não faz sentido porque a vida humana é mutável e instável como o planeta terra e todas as suas eras. Se a terra em 4.54 milhões de anos já mudou, se renovou e sofrerá outras mudanças ao longo de sua história, por que eu precisaria estar “resolvida” com apenas 30 anos? Não existe lógica, não existe previsão, não existe controle e é preciso se acostumar.

Penso que a vida é um livro que estou escrevendo, ou uma casa que estou construindo ou, ainda, uma árvore que estou cultivando. As três coisas não serão para mim, mas para o proveito dos outros porque eu vou morrer e tudo o que eu fizer vai ficar para outros e em outros. Então, o que estou escrevendo, construindo, cultivando? Agora eu sei, finalmente sei o que quero fazer e deixar e isso eu considero um sucesso, um marco. Será que isso significa que estou pronta pra próxima era?

A próxima era é materializar aquilo que eu decidir fazer. A forma ainda está meio confusa, mas devia ser confuso quando o clima da terra foi deixando de ser glacial. Logo, estou bem e ficarei bem.

Li em diversos lugares que essa mudança toda acontece na vida humana porque Saturno leva de 29 à 30 anos para completar a volta em torno do Sol e a pessoa completaria 1 ano de vida naquele planeta, então, tudo o que você fez antes foi preparar o caminho para o que você será a partir de agora. Pode ser nada disso, mas a sensação é bem essa: colher os frutos depois de anos preparando a terra. E, olha, a visão daqui é linda.

Ainda não sei como será a sensação com 30 anos completa, mas por enquanto está tudo bem.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.