Olimpíadas e paralimpíadas

Duas competições, duas formas de divulgar.

Daniel Dias na piscina Paralimpíadas Londres 2012.

As olimpíadas Rio 2016 foi um grande evento sendo amplamente televisionada em canais abertos e fechados no Brasil e que também gerou grande visibilidade e movimentação para a economia do país no mundo. No entanto, a divulgação dos jogos paralímpicos deixou a desejar no quesito de mídias o que resultou baixas vendas de ingressos e falta de incentivo aos atletas.

Imagem retirada do Twitter.

Quem já assistiu a uma competição paralímpica, sabe o quão emocionante e inspirador elas são. As Olimpíadas foram televisionadas pela tv aberta em tempo real, e ainda comentadas e divulgadas durante toda a grade de programação durante os jogos. Já as paralimpíadas não tiveram nem sequer um jogo televisionado na tv aberta e ainda contou com uma cobertura jornalística muito fraca, um exemplo comentando foi a respeito da abertura não ter sido divulgada ao vivo, pelo contrário ter sido mostrada em gravações e notícias rápidas pelas emissoras. A fraca divulgação dos jogos paralímpicos foi extremamente criticada nas redes sociais. O interessante é se analisar a boa posição em que o Brasil terminou nos jogos paralímpicos, oitava posição geral, somando um total de 72 medalhas.

Imagem tirada durante uma das competições paralímpicas na Vila Olímpica.

Ao ir em um dos jogos paralímpicos, no Riocentro fui afetada pela presença da marca da Coca Cola, pois estava visível em todos os locais nas mesas em formas de garrafas que rodeava os locais, nos cardápios eram feitos constituídos pelo fundo da coca cola. Ao meu ver existia poucas marcas presentes dentro desse local de competição. Outras mídias utilizadas pela coca cola foram a mídia eletrônica com comerciais na televisão e também mídia exterior em locais de grande circulação de pessoas com banners, outdoors e mobiliários urbanos. Houveram outras marcas que patrocinaram o evento, mas na minha percepção não foram muito exploradas.


Boulevard Olímpico na Praça Mauá.

Os Boulevards Olímpicos que exibiam os jogos ao vivo e ainda contavam com shows e várias atrações funcionaram durante todo o período dos jogos olímpicos e paralímpicos. Ainda via-se a presença de várias marcas patrocinadoras dos jogos. A Coca-cola contava com a Parada Coca-cola, o relógio da marca e quiosques vendendo a bebida nos mesmos. O twitter contou com grandes hashtags físicas chamativas, com o Twitter Buz que contava com a transmissão dos jogos e até sessão de perguntas e respostas com celebridades e esportistas e, ainda, a projeção em pontos famosos sobre twitters sobre o jogos, número de pessoas usando as hashtags, os emojis criados pensando nos jogos e a divulgação de medalhas ganhadas. A Skol proporcionou um passeio por um balão panorâmico. Já a Nissan apostou na emoção: saltar em um bungee jump. Enfim, o ambiente do Boulevard era bombardeado por imagens e marcas em todos os lugares e estima-se que recebeu cerca de 4 milhões de visitantes só nas olimpíadas.

Escrito por Stella Guerra e Lays Florentino.
Fontes utilizadas:
http://www.deficienteciente.com.br/midia-televisiva-e-novamente-o-descaso-em-relacao-aos-jogos-paralimpicos.html
http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/olimpiadas/rio2016/noticia/2016/07/boulevard-olimpico-veja-programacao-de-shows-e-atracoes.html
http://oglobo.globo.com/rio/durante-os-jogos-boulevard-olimpico-recebeu-cerca-de-4-milhoes-de-visitantes-19968901
https://twitter.com/ryckisantos/status/773657020776022016/photo/1?ref_src=twsrc%5Etfw
http://www.jornalmateriaprima.com.br/2016/06/paralimpiadas-sao-esquecidas-pela-midia/